Homens dominam crítica de cinema nos EUA em todas as mídias, diz estudo

Redação - O Estado de S.Paulo

Pesquisa da Universidade de San Diego ainda mostra que críticos do sexo masculino tendem a escrever menos sobre filmes com protagonistas mulheres

Homens são maioria na crítica de cinema nos EUA e tendem a escrever menos sobre filmes com protagonistas e diretoras mulheres, segundo estudo. 

Homens são maioria na crítica de cinema nos EUA e tendem a escrever menos sobre filmes com protagonistas e diretoras mulheres, segundo estudo.  Foto: Pixabay

A desigualdade de gênero em Hollywood não atinge apenas as produções, mas também as críticas, ao menos é o que mostra um novo estudo feito pelo Centro de Estudos sobre Mulheres na Televisão e Cinema da Universidade de San Diego.

De acordo com o estudo, existem duas vezes mais críticos de cinema homens do que mulheres, e esses críticos tendem a avaliar mais filmes com protagonistas homens do que filmes com protagonistas mulheres. A pesquisa ainda mostra que, quando os homens fazem críticas de filmes dirigidos por mulheres, eles tendem a citar menos a diretora e fazer menos comentários positivos sobre seu trabalho, quando comparados com críticas mulheres.

Esses dados fazem parte do relatório Thumbs Down: Female Critics and Gender and Why it Matters, divulgado nesta terça-feira, 17, liderado por Martha Lauzen. O estudo foi focado em críticos que atuam nos Estados Unidos em jornais impressos, televisão e portais cujas críticas são agregadas no Rotten Tomatoes, e analisou 4.111 críticas feitas de março até junho de 2018.

O estudo revelou que maioria dos críticas (68%) é homem e que eles produzem mais que as mulheres, com a média de produção de 13 críticas, em comparação a 11 críticas feitas por mulheres. Isso significa que eles acabaram escrevendo 71% de todas as críticas, enquanto as mulheres produziram 29%.

Além disso, os homens produziram 68% das críticas de jornais impressos e 70% de veículos especializados. Os críticos do sexo masculino também dominaram diversos gêneros do cinema, produzindo 78% das críticas sobre filmes de terror e 70% das críticas sobre dramas. O gênero em que as mulheres mais tiveram espaço para críticas foi a comédia, mas, ainda assim, não chegaram nem a metade: apenas 41% das críticas foram feitas por elas.

"Essas desigualdades entre gêneros importam porque elas impactam na visibilidade dos filmes com protagonistas ou diretoras mulheres, assim como na natureza das críticas", disse Lauzen.

Segundo a análise, as críticas mulheres tendem a mencionar o nome das mulheres que dirigiram um filme e comentam seu trabalho de maneira positiva; 52% das críticas escritas por mulheres, em comparação com 38% das escritas por homens, incluíram elogios ao trabalho das diretoras dos longas analisados. Por outro lado, quando se tratava de diretores homens, os críticos eram 32% mais propensos a elogiar do que as críticas mulheres.

Entre outras descobertas, o estudo ainda mostra que 51% das análises feitas por mulheres eram de filmes com protagonistas femininas, enquanto esse número caiu para 37% quando analisadas as críticas feitas por homens.