Freiras se rendem às redes sociais para mostrar vida no convento

Redação - O Estado de S. Paulo

Irmãs dizem que até um santo faria parte da rede caso ela existisse antes

Freiras da missão de St. Paul acreditam que os discípulos de Jesus seriam — como elas — adeptas do Snapchat

Freiras da missão de St. Paul acreditam que os discípulos de Jesus seriam — como elas — adeptas do Snapchat Foto: Instagram / @daughterstpaul

As Kardashians não são as únicas 'irmãs' que fazem sucesso no Snapchat: as freiras da missão de St. Paul, localizada nos Estados Unidos e no Canadá, que se batizaram de #MediaNuns ('irmãs da mídia', em tradução livre), também têm apelado aos recursos de vídeo e fotos da rede para falar de Deus, apresentar a vida diária do convento ou apenas mostrar o que elas comem.

Seguir a irmã Chelsea Bethany, uma das três freiras da missão que bombam no Snapchat, garante descobrir, por exemplo, que comer pizza, batata frita ou candy corn (doce feito de milho) é algo comum no convento.

Bethany e a irmã Theresa Aletheia, que também usa o Snapchat, acham, inclusive, que os discípulos de Jesus e o próprio apóstolo Paulo fariam parte da rede e usariam os meios mais modernos para espalhar suas mensagens caso as ferramentas existissem na época. “Nós nos vemos fazer o que São Paulo faria se ele estivesse aqui hoje”, disse Theresa ao site Mashable.

Em um snap, a freira revelou que ela está deixando de estudar para seu mestrado para usar a rede: “Não quero fazer isso [estudar]”. Theresa também disse ter se sentido ridícula quando virou usuária do Snapchat, mas relembra o ensinamento do fundador da missão de St. Paul, o padre James Alberione: “Não fale só de religião, mas fale sobre tudo de um modo cristão”. A missão também possui perfis no Instagram, Facebook e Twitter, segundo consta de seu site oficial.

Veja também: por que Fábio de Melo é o padre mais pop da atualidade

Confira algumas postagens e fotos das irmãs em outras redes: