Etiqueta na internet: especialista atenta para o uso correto das redes sociais

Ananda Portela* - O Estado de S.Paulo

Segundo pesquisa do Kapersky Lab, 96% dos usuários brasileiros compartilham suas informações digitalmente

Os jovens são mais propensos a compartilhar fotos privadas e confidenciais de si mesmos com os outros. De acordo com uma pesquisa realizada pela Kapersky Lab pelo menos 22% dos brasileiros já deixou seus dispositivos desbloqueados e sem supervisão entre um grupo de pessoas 

Os jovens são mais propensos a compartilhar fotos privadas e confidenciais de si mesmos com os outros. De acordo com uma pesquisa realizada pela Kapersky Lab pelo menos 22% dos brasileiros já deixou seus dispositivos desbloqueados e sem supervisão entre um grupo de pessoas  Foto: geralt/Pixabay

Uma coisa é fato: (quase) ninguém  consegue deixar de compartilhar sua vida nas redes sociais. No Brasil, 96% dos usuários divulgam informações pessoais em qualquer tipo de comunidade virtual.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Kapersky Lab, empresa de segurança cibernética, pelo menos 22% dos brasileiros já deixou seus dispositivos desbloqueados e sem supervisão entre um grupo de pessoas. Afinal, qual amigo nunca 'invadiu' o Facebook alheio para postar aquelas mensagens de 'bom dia' ou uma foto que acaba com sua reputação?

O estudo também concluiu que os jovens são mais propensos a compartilhar fotos privadas e confidenciais de si mesmos com os outros. Na América Latina, 67% das pessoas entre 16 e 24 anos admite que faz isso, em comparação com 38% das pessoas acima de 55 anos.

Esse comportamento pode não variar muito em determinados países. "Eu acredito que por conta da globalização, tudo mais dinâmico, essa linha de comportamento não muda muito", explica Silmara Addad, supervisora do curso de Etiqueta e Comportamento Corporativo do Centro Europeu.

Por outro lado, as manifestações culturais de cada povo são comumente consideradas na análise da postura dos usuários das redes sociais. "Eu acho que os jovens brasileiros utilizam muito mais a linguagem web do que os uruguaios da mesma idade. Eles usam mais as redes sociais para se comunicar uns com os outros do que para se divertir ou se informar", afirma Sarah Alves, estudante brasileira que mora no Uruguai. Ela ainda acredita que os uruguaios se reservam mais, uma vez que não costumam divulgar opiniões sobre determinados assuntos ou postar memes, especialidade dos brasileiros.

Silmara atenta para o fato de que, muitas vezes, as redes sociais são utilizadas como um divã. Os 'textões' são um verdadeiro desabafo e se espalham pela timeline dos usuários. Por isso, é necessário ter cuidado com o que publicar no Facebook, assim como as mensagens enviadas pelo WhatsApp e e-mail.

"Cuidar da sua conduta, comportamento e imagem garante credibilidade. E-mails, redes sociais e mensagens em WhatsApp também exigem um comportamento educado e respeitoso entre todos", completa a especialista. Confira algumas dicas para não ter problemas:

1. E-mail: revise o texto para evitar erros de português e confira os anexos antes de enviar. Lembre-se: e-mails são considerados documentos.

2. WhatsApp: evite mandar mensagens particulares em grupos e tome cuidado com as piadinhas e fofocas. Há casos de demissão por justa causa por conta de mensagens trocadas. Alguns advogados digitais já consideram as mensagens do aplicativo como documento.

3. Redes sociais: atente-se para algumas fotos que podem ser publicadas em determinadas redes sociais. Utilize canais específicos para tratar de assuntos profissionais.

Uma boa postura nas redes sociais garantem credibilidade e profissionalismo ao usuário. "Reforce sua conduta e garanta sucesso e muita visibilidade positiva aonde quer que esteja", indica Silmara.

*Estagiária sob supervisão de Charlise Morais