Empresa nórdica dá licença-parental a funcionários que adotam animal

redação - O Estado de S.Paulo

Política teve início em 1º de junho e oferece três dias em casa para se adaptar ao novo membro da família

Companhia de alimentação animal beneficia funcionáios com licença remunerada.

Companhia de alimentação animal beneficia funcionáios com licença remunerada. Foto: YamaBSM/Pixabay

Enquanto alguns países e empresas lutam por políticas mais igualitárias de licença-parental, uma companhia nórdica foi além e resolveu oferecer três dias de licença remunerada para funcionários que adotam um animal de estimação.

A política teve início no dia 1º de junho e foi implementada pelo CEO do Grupo Musti, empresa de alimentação animal baseada na Noruega, Suécia e Finlândia. A companhia tem 1,5 mil funcionários, sendo que 90% deles têm pets.

"Animais de estimação vêm em primeiro lugar em tudo o que fazemos e é por isso que 'licença-PETernidade' é um passo natural no desenvolvimento da nossa cultura", disse David Rönnberg em um comunicado.

"Adotar um animal é uma decisão significativa e muda consideravelmente a vida cotidiana. Nós queremos apoiar nossos funcionários nos primeiros dias com seu novo membro na família e garantir que eles aproveitem esses momentos preciosos completamente", acrescentou.

Rönnberg disse que, dependendo das necessidades de cada pet, os primeiros dias juntos podem ser intensos. Noites sem dormir são comuns entre os novos pais de animais assim como são para os pais de bebês [humanos]. E assim como seus humanos correlatos, novos pets requerem constante atenção e amor incondicional.

"Prestar atenção nas necessidades do animal e passar tempo com ele contribui para o aprendizado, constrói confiança e ajuda a prevenir distúrbios comportamentais no futuro", afirma Rönnberg.

A iniciativa favorece também a empresa. Henri Mäkinen, diretor de marketing do Grupo Musti, diz que a licença contribui para o bem-estar de toda a família e ajuda os funcionários a equilibrar a vida entre trabalho e casa.