Como produzir conteúdo em vídeo para quem tem deficiência auditiva ou visual?

João Pedro Malar* - O Estado de S.Paulo

Processo envolve muito estudo e a tentativa de transmitir, sem perdas, as impressões obtidas com o produto original; lei já obriga a acessibilidade em salas de cinema

A intérprete de Libras Lilian Amano durante o processo de produção de conteúdo audiovisual acessível

A intérprete de Libras Lilian Amano durante o processo de produção de conteúdo audiovisual acessível Foto: Caki Filmes / Divulgação

Em dezembro de 2019 a Disney anunciou o lançamento de curta-metragens que resumem os filmes de princesas da empresa, todos feitos em língua de sinais. A ideia da iniciativa era tornar o conteúdo acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Porém, nos comentários de um desses curtas, disponíveis no Youtube, surgiram questionamentos sobre a língua de sinais usada. “A intenção é muito boa, pena que não alcançou seu objetivo. Pois não é língua de sinais internacional como está relatado, nem Libras (Língua Brasileira de Sinais)”, relatou usuário identificado como Eventer HR.

Procurada pelo E+, a assessoria da Disney esclareceu que o material realmente não era produzido tendo como base a Língua Brasileira de Sinais, mas sim uma língua internacional. Mas, afinal, essa língua existe?

Línguas de sinais

Cássia Geciauskas Sofiato, professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP), comenta que existe sim uma língua internacional de sinais, geralmente chamada de gestuno

“O gestuno, ou língua de sinais internacional, é conhecido por vários surdos e utilizada em situações específicas, tais como eventos acadêmicos e congressos internacionais, com a participação de surdos e ouvintes de vários países do mundo”, comenta Cássia.

A professora, que pesquisa e trabalha com Libras, fala que, por experiência própria, o gestuno ainda é pouco conhecido no Brasil e poucas pessoas são fluentes nele. Sobre a implementação da língua no País, Cássia considera que ela seria benéfica, mas complexa. “Acho difícil em função de uma série de fatores, entre eles a falta de profissionais com fluência para o ensino”, comenta.

Na opinião dela e de outros pesquisadores, o gestuno não chega a ser uma língua real, pois ela foi criada e adaptada, não tendo uma origem na cultura de uma sociedade. É comum que cada país tenha a sua própria língua de sinais, que respeita particularidades culturais.

Esse fator não impede influências de outros países. Cássia explica, por exemplo, que a língua brasileira de sinais teve, em seu início, uma forte influência da língua de sinais francesa. A língua brasileira de sinais começou a ser utilizada no século 19, sendo reconhecida por lei em 2002. 

“No caso de alguns países, isso [a influência] se deu em função de [outras nações] terem iniciado o trabalho com surdos nos séculos 16, 17, e 18 tornando-se uma espécie de ‘referência’, mas isso não é uma regra geral”, explica a professora. 

Outro elemento que está presente na língua de sinais, e em qualquer outra língua, é o regionalismo. Assim como o paulista fala 'bolacha' e o carioca fala 'biscoito', é possível encontrar sinais com significados específicos em uma região do país. “Apesar desse regionalismo, é perfeitamente possível utilizar a língua brasileira de sinais em qualquer estado brasileiro e ser compreendido se a pessoa tiver fluência em Libras”, ressalta Cássia.

Como produzir um conteúdo audiovisual acessível?

Trazer a acessibilidade para um conteúdo audiovisual, de modo que ele possa ser aproveitado por pessoas com deficiências auditivas e visuais, é um processo que envolve várias etapas.

Carlos Silva, mais conhecido como Cadu Silva, é um dos donos da Caki Filmes. A empresa trabalha, desde 2016, com a produção de conteúdo acessível, envolvendo filmes, séries e documentários, além de seus trailers.

Silva explica que, no geral, o processo começa com os produtores assistindo à obra original. O objetivo, então, é passar as mesmas impressões que eles tiveram para um espectador que tenha alguma deficiência ligada à visão ou à audição.

Essa transmissão envolve o uso de audiodescrição, quando uma pessoa narra a cena, legendas descritivas, que não apenas incluem falas mas a descrição do que está acontecimento e a presença de um intérprete de Libras

Confira os trailers acessíveis de Sequestro Relâmpago e Carcereiros, produzidos pela Caki Filmes:

“Nunca podemos invadir as falas do filme, sempre buscamos brechas onde tem uma trilha ou silêncio, mas cada filme tem suas características”, explica Silva. Uma dificuldade, por exemplo, é quando os filmes possuem muitos diálogos, com poucos “respiros” para a inclusão da audiodescrição.

Para ele, o contato com pessoas com deficiências audiovisuais na produção do conteúdo é “imprescindível”. “Todo conteúdo que produzimos tem que ser verificado com o público alvo, todo material é validado”, explica. E a acessibilidade vai além do filme em si. Silva comenta que, no passado, os menus de filmes em DVD não eram acessíveis para quem possuía deficiência, impedindo até o início da obra.

Também existem desafios específicos, como em filmes de comédia. “O humor não é o mesmo pra quem tem algum tipo de deficiência”, explica Silva. Segundo o produtor, é comum que digam que uma fala engraçada é “piada de ouvinte”. É necessário, então, que ela seja adaptada. 

Às vezes o conteúdo possui especificidades tão grandes que a inclusão delas é complexa demais para compensar o esforço. Essa situação ocorre com algumas gírias, quando se opta pela inclusão de uma explicação literal e a perda de poder da expressão.

“Sempre tem um período de pesquisa de sinais, um período só de estudo, em que buscamos garantir que os sinais usados sejam os mais universais possíveis”, comenta Silva.

Confira uma parte do processo de produção de um trailer acessível:

Como a lei lida com a acessibilidade no audiovisual?

Uma instrução normativa de 2016 da Agência Nacional de Cinema (Ancine) buscou implementar o Estatuto da Pessoa com Deficiência, de 2015, que determina que os “serviços de radiodifusão de sons e imagens devem permitir o uso de subtitulação de legenda oculta, janela com intérprete de Libras e audiodescrição”. 

A Instrução Normativa 128 definiu metas e prazos para esse processo, determinado que as salas de cinema fossem se tornando acessíveis aos poucos. Os prazos foram postergados diversas vezes. No final de 2019, ele foi adiado novamente, com um novo limite sendo colocado para 2021.

Silva explica que, hoje, os filmes que recebem apoio do governo são obrigados a realizar o processo de acessibilidade. Isso permitiu que filmes nacionais, que geralmente possuem verbas curtas, pudessem realizar esse processo, que costuma ter um custo elevado.

Em relação às salas de cinema, a indicação de que elas foram adaptadas e possuem conteúdo acessível é feito por meio de duas luzes superiores nos cantos superiores da tela. É importante que o consumidor, ao comprar o ingresso, pergunte se há salas adaptadas e, então, solicite o equipamento que permite o acesso à audiodescrição. No geral, as salas devem ter até três kits de audiodescrição.

Os kits possuem um fone de ouvido e uma caixa de som, que permitem que as pessoas ouçam à audiodescrição, e uma tela, onde aparecerão o intérprete de libras e a legenda descritiva.

Silva destaca que o contato com o público que possui alguma deficiência visual ou auditiva após o contato com o material acessível é sempre muito positivo. “É uma galera carente de cultura, e eles precisam ser inseridos”, destaca.

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais