Com dificuldades para amamentar, Bella Falconi faz desabafo corajoso em rede social

Redação - O Estado de S.Paulo

Nutricionista explica que teve de recorrer à fórmula para alimentar filha, que está perdendo peso

A nutricionista e musa fitness Bella Falconi.

A nutricionista e musa fitness Bella Falconi. Foto: Instagram/ @bellafalconi

Bella Falconi se emocionou ao falar do esforço que está fazendo para amamentar a filha Stella, que nasceu na segunda-feira, 20. Isso porque a pequena não está conseguindo pegar o peito. Apesar de todo o apoio e instrução que está recebendo de profissionais, Bella conta que a filha já perdeu muito peso e, agora, precisa do apoio da fórmula, leite industrializado com nutrientes adequados para bebês. O desabafo foi feito no stories da página oficial dela no Instagram.

"E aí, pessoal. Estou lendo comentários do último post. Quero agradecer o carinho. Estou fazendo o que é possível e foi instruído. A Stella até agora não pegou o peito, não consegue, não suga, chora, grita desesperada. Já perdeu muito peso. A pediatra me disse para usar suplemento porque ela está perdendo muito peso", declarou Bella. A primeira filha da blogueira fitness, Vicky, também passou por dificuldades.

Ao responder a inúmeras críticas nos comentários do Instagram, Bella Falconi afirmou que nem tudo funciona igual para todo mundo. "Estou super bad esses dias. Não sei se ler os comentários faz eu me sentir melhor ou pior. Não estou suplementando porque eu quero. Ela não está aceitando o meu peito. Está sendo uma batalha novamente para mim. É muito difícil. Vocês não têm ideia. Não vou desistir. Tenham carinho e paciência", concluiu.

Mas não só Bella Falconi é vítima de comentários maldosos relacionados à amamentação nas redes sociais. Na Semana Mundial de Amamentação, no início de agosto, a apresentadora da TV Globo Fernanda Gentil foi alvo de xingamentos quando relatou que só conseguiu alimentar o filho usando a fórmula.

 

Já que estamos na semana do aleitamento materno: Eu achei que amamentar fosse tão automático quanto ser mãe - se quando nasce um filho, nasce uma mãe, então essa mãe vai amamentar. Não necessariamente. Talvez não se tiver mamilos invertidos, prótese, redução de mama, se sentir muita dor, o leite não descer ou secar - e o meu secou. Para uma mãe que sempre sonhou em viver o momento mágico-de-filme do filho mamando no peito, do olho no olho, da mãozinha segurando o nosso dedo, a notícia da mamadeira cai como uma bomba. Chorei, me julguei e repassei a gravidez inteira na minha cabeça tentando descobrir onde errei; se foi o chocolate que comi, a noite que não dormi ou aquela longa escada que subi. O meu sofrimento durou até eu dar a primeira mamadeira. Foi quando descobri que eles também olham no nosso olho e a mãozinha também segura o nosso dedo quando mamam na "dedêra". Descobri também que esse é um assunto polêmico e não estou aqui para polemizar. Até porque o melhor cenário é o leite materno! Claro! Mas o pior é não ter leite; nem do peito da mãe, nem de outro peito, nem da lata. Então nessa semana tão importante, vamos valorizar o aleitamento materno, o alheio, ou apenas o ato de alimentar. E de amar. Porque se eu posso usar minha imagem para ajudar principalmente tantas mulheres na mesma situação que eu vivi, meu recado é esse: amamentar é fundamental. Mas quem não consegue não é menos mãe. E essa foi a minha melhor descoberta: o amor que bate no peito, bate também na mamadeira.

Uma publicação compartilhada por Fernanda Gentil - Oficial (@gentilfernanda) em