Cidades dos EUA atingem recordes em proteções a população LGBT+

Ellen Wulfhorst - Reuters

Levantamento mostrou que mais cidades melhoraram em áreas como não discriminação no emprego, inclusão aos serviços públicos e aplicação de leis contra crimes de ódio

Ativistas LGBT+ e apoiadores em uma manifestação nos EUA em outubro durante um julgamento na Suprema Corte sobre leis de discriminação no trabalho

Ativistas LGBT+ e apoiadores em uma manifestação nos EUA em outubro durante um julgamento na Suprema Corte sobre leis de discriminação no trabalho Foto: Jonathan Ernst / Reuters

Um número recorde de cidades dos EUA obteve pontuações perfeitas neste ano em proteções legais para LGBT+, estendendo suas leis e políticas para incluir mais pessoas gays e transgêneros, afirmou na terça-feira, 19, um grupo de direitos humanos.

Este ano, 88 cidades marcaram cem pontos no Índice Municipal de Igualdade, contra 78 cidades no ano passado e 11 cidades quando o índice começou em 2012, disse a Human Rights Campaign (HRC), o maior grupo de defesa dos EUA da comunidade LGBT+. Em todo o país, a pontuação média das 506 cidades do índice subiu para um recorde de 60 pontos, ante 58 no ano passado.

As cidades foram classificadas quanto a políticas e proteções legais para os residentes LGBT+, como não discriminação no emprego, moradia e acomodações públicas, inclusão em serviços públicos e aplicação de leis contra crimes de ódio. "Este ano, nossa comunidade e nosso país alcançaram progressos históricos, mesmo quando a saúde, os direitos e o bem-estar de lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e homossexuais enfrentam ataques implacáveis dos mais altos níveis do governo", disse Alphonso David, presidente do HRC em uma introdução ao índice.

Apoiadores LGBT+ criticaram o Departamento de Justiça dos EUA por discutir recentemente com a Suprema Corte em nome do governo do presidente Donald Trump que uma lei federal que proíbe a discriminação sexual no local de trabalho não inclua orientação sexual ou identidade de gênero.

A administração Trump também apoiou o direito das empresas de se recusarem a servir gays com base em objeções religiosas ao casamento gay, restringir o serviço de transgêneros nas forças armadas e revogar proteções no acesso ao banheiro para estudantes transgêneros em escolas públicas.

"Ainda há muito mais trabalho a ser feito para proteger e capacitar os americanos LGBTQ", afirmou David. "Felizmente, muitas autoridades locais nas cidades americanas estão liderando esse trabalho".

O que é identidade de gênero?