Campanha quer entregar cartões de alimentação para 10 mil famílias na Brasilândia durante pandemia

Camila Tuchlinski - O Estado de S.Paulo

Famílias que sofrem por causa da crise em decorrência do coronavírus poderão receber auxílio de R$ 100

Campanha quer doar R$ 100 para cada uma das dez mil famílias na Brasilândia durante pandemia

Campanha quer doar R$ 100 para cada uma das dez mil famílias na Brasilândia durante pandemia Foto: Google Street View

A campanha ‘O Legal pela Brasilândia’ quer que cada uma das 10 mil famílias que vivem na Vila Brasilândia, em São Paulo, receba um cartão alimentação no valor de R$ 100 durante a pandemia do novo coronavírus. O vale pode ser usado para a compra de alimentos e produtos de higiene.

O movimento, organizado pela ONG Banco de Alimentos, Instituto Stop Hunger e o escritório PLKC Advogados, quer facilitar o acesso da população a esses produtos e ajudar o comércio local nesse momento de crise. 

O Instituto Stop Hunger vai fornecer os cartões sem qualquer custo. A ONG Banco de Alimentos irá cuidar do cadastro das famílias e da distribuição dos cartões, e prestar contas das doações recebidas sempre com transparência e cuidado para que todos sejam favorecidos. O PLKC Advogados, que tem forte atuação na área de filantropia, deu apoio jurídico e vai suportar os custos para que o Banco de Alimentos possa fazer essa operação pelos próximos três meses. 

Tudo começou após um relato de uma das colaboradoras do escritório de advocacia que mora na Brasilândia, uma das regiões mais afetadas pelo coronavírus em São Paulo. “Nós vimos que poderíamos agregar novos parceiros e, porque não, mobilizar o meio jurídico para entrar nessa corrente do bem. É uma ação pela cidadania, recheada de empatia. Todos nós podemos contribuir para ajudar nesse momento delicado e tanto faz de onde venha a ideia. Não há tempo para protagonismos, pois a fome não espera”, diz a advogada Priscila Pasqualin. 

O Instituto Stop Hunger Brasil, criado em 2015 e mantido pela Sodexo, é uma organização sem fins lucrativos e ajuda a combater a fome e a má nutrição de maneira sustentável no País. Diante da pandemia da covid-19, a entidade lançou recentemente uma campanha para angariar recursos para assistência emergencial com foco nas ONG’s apoiadas e/ou de comunidades parceiras. “Parcerias como esta, como PLKC Advogados e a ONG Banco de Alimentos, ampliam a nossa capacidade de combater a fome no Brasil. Acreditamos que, neste momento delicado, estas iniciativas vêm para somar forças e auxiliar as ONG’s cadastradas e comunidades parceiras a atravessar este período de incertezas. Assim, estamos todos juntos, potencializando nossas ações e fazendo a diferença para milhares de pessoas”, afirma Fernando Cosenza, vice-presidente de Marketing e Sustentabilidade da Sodexo Benefícios e Incentivos e do Instituto Stop Hunger Brasil.

Já a ONG Banco de Alimentos atua há 22 anos buscando comida onde sobra e levando onde falta para combater a fome e o desperdício, além de complementar a alimentação de milhares de pessoas todos os dias. Por causa da pandemia, a organização também ampliou a sua atuação para entregar cestas básicas e cartões vale alimentação. No mês de abril, o Banco de Alimentos arrecadou 1.238.000 quilos de alimentos, que beneficiaram mais de 280 mil pessoas. Antes da pandemia, a média mensal de arrecadação era de 40 mil quilos. “Alimento é vida e quem precisa não pode esperar. Parcerias como esta com o Instituto Stop Hunger e PLKC Advogados, com foco na Vila Brasilândia, são extremamente importantes para que possamos ampliar o atendimento a pessoas em situação de vulnerabilidade social. Neste momento de profunda dificuldade, agradeço imensamente a todos que puderem doar recursos financeiros e às parcerias desenvolvidas”, declara Luciana Quintão, fundadora e presidente da ONG Banco de Alimentos.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus