Cães farejadores da polícia colombiana são homenageados em cerimônia de aposentadoria

Joshua Goodman, Manuel Rueda - Associated Press

Foram 14 cachorros aposentados, e alguns deles serão disponibilizados para adoção

O cão Simon com seu treinador durante cerimônia de aposentadoria em Bogotá.

O cão Simon com seu treinador durante cerimônia de aposentadoria em Bogotá. Foto: AP Photo/Fernando Vergara

Catorze cachorros farejadores receberam medalhas e diplomas durante uma cerimônia emocionante em Bogotá na última sexta-feira, 21, por terem passado anos farejando drogas, bombas e corpos.

Alguns dos pastores alemães, pitbulls e golden retrievers foram presenteados com um banho especial e perfumados antes da cerimônia onde se aposentaram, em um auditório no Gabinete do Procurador-Geral.

Entre os cachorros que se aposentaram, estava Canela, uma labradora de 12 anos que ajudou investigadores a descobrir 65 valas comuns contendo as vítimas de paramilitares, e Negra, uma pitbull que ajudou a detectar várias toneladas de cocaína em sua carreira de oito anos.

Canela e seu treinador chegando à cerimônia de aposentadoria de cães farejadores da polícia colombiana.

Canela e seu treinador chegando à cerimônia de aposentadoria de cães farejadores da polícia colombiana. Foto: Fernando Vergara/AP

Oficiais planejam disponibilizar os cachorros para adoção, dando-lhes a famílias que podem ajudá-los a viver seus anos de aposentadoria em paz. Alguns cachorros podem também ser adotados por seus cuidadores dentro da polícia.

"Nós compartilhamos muitas coisas juntos e eles são como nossos filhos", disse David Maldonado, cuidador de Negra. Cães policiais na Colômbia participam com frequência de missões perigosas, farejando terrenos de plantação de cocaína ou resgatando corpos em zonas de combate.

Sombra foi recentemente realocado de sua base para a costa caribenha do país, depois que traficantes de drogas, furiosos com o sucesso dele em farejar remessas de cocaína, ofereceram uma recompensa de 7 mil dólares por sua cabeça. Centenas de cães servem a Polícia e ao exército da Colômbia.

Yaco, guiado por seu treinador Pedro Camargo, recebe um certificado e uma medalha das mãos da Procuradora-Geral Adjunta Maria Paulina Riveros por seus anos de trabalho.

Yaco, guiado por seu treinador Pedro Camargo, recebe um certificado e uma medalha das mãos da Procuradora-Geral Adjunta Maria Paulina Riveros por seus anos de trabalho. Foto: Fernando Vergara/AP

Uma escola de cães da polícia perto de Bogotá também oferece treinos para cachorros e cuidadores de outros países da América Latina.

Os cachorros policiais da Colômbia geralmente se aposentam quando chegam aos oito ou nove anos, e, no passado, eles eram mantidos em canis onde militares veteranos davam-lhes comida, tratamento veterinário e brincavam com eles . Nos últimos anos, porém, a polícia colombiana tem procurado por famílias que queiram adotar os cachorros.

No começo desse mês, a Policía Antinarcóticos colocou 50 cachorros aposentados para adoção. As famílias interessadas devem passar por um rigoroso processo seletivo para garantir que os cães não serão usados por empresas de segurança privada.

"Esses cachorros são muito obedientes e muito bem treinados", disse Jeymy Bucuru, um veterinário da Policía Antinarcóticos. "E nós também queremos que eles possam descansar".

Treinador Juan Carlos Rojas com a cadela Katy. 

Treinador Juan Carlos Rojas com a cadela Katy.  Foto: Fernando Vergara/AP