Cachorro vive em posto de gasolina e é eleito o 'funcionário do mês'

Anita Efraim - Especial para O Estado de S. Paulo

Nacional cuida da segurança do estabelecimento durante a noite

Cão atrai pessoas de toda a cidade

Cão atrai pessoas de toda a cidade Foto: Acervo Pessoal/ Marcelo Furlanetto

Há sete meses, quando Marcelo Furlanetto foi abrir seu posto de gasolina em um domingo, encontrou um cachorro debilitado e machucado. O dono do estabelecimento, que fica em Jaú, interior de São Paulo, começou a cuidar do animal, e lhe deu comida e água, o que fez com que o cão ficasse confortável e dormisse por lá.

Nacional, que leva o mesmo nome do posto de gasolina em que vive e 'trabalha', estava com a doença do carrapato e Marcelo decidiu que cuidaria dele. "Hoje ele está totalmente diferente do que veio, está bonitão", brinca.

Além de morar no posto, Nacional virou funcionário. "Mandei fazer um crachá e mês passado ele foi o colaborador do mês, junto com meu funcionário. Todo mundo vem tirar foto com ele, ficou conhecido". Durante a noite, o cão, junto com o guarda, cuidam da segurança do posto.

Todos que frequentam o posto gostam muito do 'funcionário'. "Tem gente que tem medo de cachorro, mas ele não faz mal a ninguém. Todo mundo adora ele", afirma. O dono do posto notou, inclusive, um crescimento no movimento desde que Nacional chegou. "Teve um aumento de clientes novos que vêm do outro bairro, longe, que vêm gastar para ver ele".

Nacional sofria de anemia profunda

Nacional sofria de anemia profunda Foto: Acervo Pessoal/ Marcelo Furlanetto

Apesar disso, Marcelo diz que não usa o animal por marketing ou para se promover. "Eu peguei mesmo o cachorro porque eu gosto de criação, eu não ia deixar ele na rua. Ele ia morrer com a doença do carrapato, ele estava com anemia profunda".

Marcelo afirma que, apesar do cão não morar em sua casa, o considera como seu. "Como ele ficou aqui, os funcionários gostaram tanto dele, não dá mais pra levar ele embora não", explica.