Banheiros de universidade são pichados com ofensas homofóbicas e machistas

Anita Efraim - Especial para O Estado de S. Paulo

Ataques aconteceram depois de ato de coletivo LGBT

Pichações homofóbicas e machistas nas portas de banheiros do Mackenzie

Pichações homofóbicas e machistas nas portas de banheiros do Mackenzie Foto: https://www.facebook.com/coletivolgbtmack/

Na quinta-feira, 23, a Universidade Presbiteriana Mackenzie amanheceu com pichações de cunho machista e homofóbico nas portas dos banheiros da faculdade. Depois de um ato organizado pelo coletivo LGBT dentro do campus, alunos escreveram "gay não é gente", "Bolsonaro 2018", "viado e feminista no Mack não", entre outras ofensas. 

Isabela Rezende, 21 anos, membro do coletivo LGBT do Mackenzie e estudante de direito na universidade afirma que expressões de ódio ocorrem na universidade desde 2015. As primeiras foram de cunho racista e, agora, lgbtfóbicas e machistas. 

"Ontem teve um ato de homossexuais andando de mãos dadas e nós acreditamos que as pichações tenham ocorrido como uma forma de revolta a esse ato", explica. O coletivo LGBT escreveu uma nota de repúdio ao ato com o apoio dos Coletivos Afromack, FFM (Frente Feminista Mackenzista) e Frente Ampla Mackenzie da Universidade Presbiteriana Mackenzie. 

Na opinião de Isabela, esse tipo de manifestação oprime as minorias e deixa um clima de medo na universidade. "Acredito que você tá em um ambiente em que esse tipo de manifestação ocorre, é um ambiente de opressão e até perseguição às minorias na universidade." 

Os coletivos também se uniram para mandar um e-mail para a reitoria do Mackenzie, no entanto, não tiveram resposta. De acordo com Isabela, em outros casos, como atos racistas dentro da universidade, a direção não tomou nenhuma atitude. Para a aluna, há duas medidas que devem ser tomadas para mudar o ambiente: "Procurar os responsáveis e puni-los administrativamente. Mas também tem de ter uma mudança de mentalidade tanto da instituição quanto dos alunos". 

Em nota oficial, a Universidade Presbiteriana Mackenzie se mostrou surpresa com os ataques. "A Universidade Presbiteriana Mackenzie foi surpreendida por manifestações anônimas, de caráter discriminatório, encontradas no ambiente reservado de banheiros. Por seu princípio confessional esta Universidade não faz, não apoia e condena quaisquer tipos de discriminação, repudia violência física e verbal e seguirá defendendo seus princípios de respeito e amor ao próximo." 

Leia a nota de repúdio do coletivo LGBT na íntegra: