Assentos vazios de ônibus são confundidos com mulheres de burca e causam revolta na Noruega

Redação - O Estado de S.Paulo

Um internauta publicou a foto em grupos anti-imigrantes da Noruega, e publicação foi tomada por comentários xenófobos e racistas contra as 'mulheres' que nem existem na imagem

Bancos vazios de ônibus foram confundidos com mulheres usando burcas.

Bancos vazios de ônibus foram confundidos com mulheres usando burcas. Foto: facebook.com/sindre.beyer

Na semana passada, um norueguês fez uma espécie de 'experimento social' em um grupo do Facebook para dar luz ao preconceito contra imigrantes. Ele publicou uma foto de assentos de ônibus vazios em um grupo anti-imigrantes da Noruega e alguns membros confundiram com mulheres usando buscas.

"Trágico", "aterrorizante" e "nojento" foram alguns dos vários comentários postados por membros do grupo Fatherland First, de acordo com prints obtidos pelo jornal Nettavisen.

Já em um grupo "para pessoas que amam a Noruega e valorizam as coisas pelas quais nossos ancestrais lutaram", muitos membros questionaram o que as "mulheres de burca" estariam escondendo debaixo de suas roupas. "Elas deveriam ser banidas. Você não consegue dizer o que há escondido na roupa. Podem ser terroristas", comentou um membro. "O islamismo sempre será uma maldição", comentou outro.

Após a repercussão, o fotógrafo, Johan Slattavik, revelou que tudo não passava de uma "piada", e descreve a si mesmo como "o maior troll da internet da Noruega". Ao publicar a imagem nos grupos, ele perguntou: "O que vocês acham disso?".

Slattavik disse ao Nettavisen que ele queria "mostrar a diferença entre críticas legítimas contra a imigração e racismo velado", e estava "interessado em ver como a percepção das pessoas sobre uma imagem é influenciada pela forma como outras pessoas perto dele reagem".

A brincadeira viralizou na Noruega após Sindre Beyer, um ex-membro do Parlamento do Partido dos Trabalhadores do país, ter compartilhado 23 imagens mostrando comentários racistas de membros do grupo no Facebook.

"O que acontece quando a foto de alguns bancos de ônibus vazios é postada em um grupo de Facebook nojento, e quase todo mundo acha que viu um monte de burcas?", disse Beyer em seu Facebook, em uma publicação que já teve quase 2 mil compartilhamentos.

Recentemente, a Noruega propôs restrições na vestimenta de burcas e niqabs em alguns locais públicos, como escolas e universidades. França, Holanda, Bélgica, Bulgária e Alemanhã são alguns dos países europeus com restrições semelhantes.