Após cobrar até 125 mil dólares por pessoa, Fyre Festival cancela evento de última hora

Redação - O Estado de S.Paulo

Festival nas Bahamas teria iates, modelos e quartos luxuosos, mas virou desastre ao entregar cabanas e comida simples ao público

Imagem do local em que o Fyre Festival ocorreria, nas ilhas Exuma, nas Bahamas

Imagem do local em que o Fyre Festival ocorreria, nas ilhas Exuma, nas Bahamas Foto: Jake Strang via AP

O Fyre Festival, evento luxuoso de música que aconteceria em dois fins de semana nas ilhas Exuma, nas Bahamas, foi cancelado na sexta-feira, 28, véspera do início do evento, já com grande parte do público no local. Meses antes, a produção havia prometido uma experiência inesquecível: em uma ilha privada, haveria iates, modelos, quartos luxuosos, comida requintada e shows de bandas famosas como Blink-182. Na prática, tendas de acampamento, refeições simples, acomodação insuficiente e nada de bandas famosas. 

O festival, focado para a 'millenials da elite', ocorreria neste sábado e domingo, 29 e 30, e no próximo fim de semana, 6 e 7. No entanto, a produção cancelou o evento no último minuto, quando centenas de pessoas já haviam gasto milhares de dólares com passagens aéreas e ingressos - os mais caros saíam a 125 mil dólares para o pacote completo, com translado. 

Muitos desembarcaram no aeroporto na quinta-feira à noite, menos de dois dias antes dos shows, para descobrir que as acomodações não estavam prontas e que o Fyre Festival não seria em uma ilha privada. 

A grande expectativa foi alimentada desde o anúncio da festa, em dezembro. A produção prometia "uma experiência para a vida toda". Meses antes, o perfil do festival compartilhava no Instagram imagens de praias com água azul e modelos internacionais. Havia, ainda, a promessa de uma caça ao tesouro com mais de 1 milhão de dólares em presentes escondidos. 

 

Are you ready? #FyreFestival

Uma publicação compartilhada por FYRE FESTIVAL (@fyrefestival) em

 

We are _________

Uma publicação compartilhada por FYRE FESTIVAL (@fyrefestival) em

No entanto, imagens nas redes sociais mostravam o descompasso com o que havia sido prometido. A ilha Fyre, onde os shows ocorreriam, na verdade era um pedaço de terra próximo a um hotel de luxo. Os quartos com ar-condicionado eram tendas de acampamento e os lanches, sanduíches simples. 

Imagem das tendas para a acomodação do público

Imagem das tendas para a acomodação do público Foto: Jake Strang via AP

Um dos internautas afirma que comprou um ingresso para dormitório com ar-condicionado. Na prática, ficou em uma tenda ao ar livre, conforme relatou à revista The New Yorker. Uma participante escreveu que ficou presa nas últimas oito horas tentando sair. "Quase nada de comida, água, segurança ou eletricidade", escreveu. 

Na sexta-feira de manhã, o público que queria ir embora ficou preso na ilha, quando os voos domésticos foram cancelados. 

Segundo a AP, o ministro do Turismo das Bahamas havia declarado que o Fyre Festival seria um dos maiores eventos que a região receberia na história. Em seu perfil oficial no Twitter, a pasta ressaltou não ter relações com a organização da festa e lamentou que os turistas tiverma uma experiência negativa nas Bahamas.

Em um texto no site NYMag, intitulado "Eu trabalhei no Fyre Festival. Ele estava fadado a ser um desastre", a produtora Chloe Gordon conta que voltou para Nova York apenas quatro dias após desembarcar nas Bahamas. "Todo o negócio, como todo mundo sabe, era um completo desastre", escreveu, explicando que, ao chegar, não havia praia ou areia bonita, mas um pedaço de terra, tratores e espaço insuficiente para acomodar todo o público. 

Ela também descreve que contatou vários empresários dos artistas prometidos no festival, mas que a resposta de todos perguntava sobre o pagamento. Após falar com o responsável pela liberação de verba do festival, ele a teria colocado 'em stand-by' por três dias. "No fim daquela semana, ficou claro que eles não pagariam o que deveriam", diz Chloe. 

O Blink-182 havia emitido um comunicado, na quinta-feira, 27, afirmando que cancelaria sua performance no evento por não se sentirem seguros de que teriam o que precisavam para apresentar um bom show de qualidade.

 

No site do festival, a organização tentou se desculpar por cancelar o festival na última hora e diz que os organizadores "não estavam prontos para o que aconteceria, nem o quão grande o festival seria". Uma nota também foi publicada no Instagram.

"Devido a circunstâncias fora do nosso controle, a infraestrutura física não foi montada a tempo e não conseguiremos preencher as expectativas de forma segura e agradável dos nossos convidados", diz a nota, que afirma estar organizando voos para Miami aos passageiros que haviam desembarcado nas Bahamas.

Em comunicado no site do evento, o organizador Billy McFarland diz que o reembolso dos ingressos será integral. "Vamos trabalhar nos reembolsos nos próximos dias e entraremos em contato diretamente com os hóspedes com mais detalhes. Além disso, todos os hóspedes deste ano terão passes VIP gratuitos para o festival do ano que vem", afirmou.

Ja Rule, um dos organizadores do Fyre Festival, desculpou-se no Twitter: "Eu queria que fosse um evento incrível, [o festival] não era uma farsa, como todo mundo está dizendo. Eu realmente me desculpo, mas a falha não foi minha."