Voltada para o poente

Marisa Vieira da Costa - O Estado de S.Paulo

Localização privilegiada norteia projeto contemporâneo de Reinach e Mendonça em Itu

O jogo de volumes, a arquitetura de linhas limpas e os grandes painéis de vidro fazem com que a casa se destaque entre as muitas de alto padrão espalhadas por um condomínio em Itu. Situada num lote privilegiado de esquina, a residência de 784 m² chama a atenção também pelo contraste do concreto aparente com a vegetação da rua, que se confunde com a do terreno de 2.343 m² que se estende até um lago."A boa localização nos levou a posicionar a casa para essa linda vista voltada para o poente. Ao mesmo tempo em que a protegemos do sol, a dividimos em blocos para, por meio de pátios e galerias, conseguir uma construção iluminada, arejada e com ambientes interligados ao exterior", explica o arquiteto Henrique Reinach, que divide a assinatura do projeto com seu sócio, Maurício Mendonça. "Resumindo, trata-se de um grande volume alto, com paredes e laje de concreto, que é um elemento de união e articulação entre os diversos blocos da residência. Usamos como base, além de concreto, o vidro e a madeira."À esquerda de quem chega, o lado menor de um L invertido abriga o estacionamento. Na divisa, uma porta grande de cruzetas de madeira (feita pela Marcenaria Roberto Navarro, sai por volta de R$ 3 mil, já instalada) leva ao hall revestido de pedra São Tomé (como quase todo o resto da casa), que guarda a primeira grande surpresa: duas rampas. A que sobe conduz à suíte principal e a uma varanda. A que desce, leva às salas e áreas de lazer e de serviço. Acompanhando o guarda-corpo na rampa em declive, painéis de vidro inundam de luz a área com pé-direito duplo, que conta com um providencial retângulo de gesso no meio dos painéis para atenuar a intensa luminosidade.Rampa sobe, rampa desce e, à direita do hall, ainda no nível da rua, uma passarela leva às três suítes para hóspedes. Envidraçado do lado esquerdo, esse passadio revela o jardim interno entre o térreo e o piso inferior. Projetado pelo paisagista Raul Pereira, além de espécies tropicais, tem fonte e ponte de madeira.A interligação entre ambientes é ainda mais perceptível no andar inferior, onde portas de correr de vidro separam as salas da espaçosa área de lazer, que se estende até a piscina com borda infinita e o extenso jardim.No grande salão, entre estreitos pilares que sustentam a laje do andar de cima, uma meia parede que embute a lareira divide o estar do jantar. O living leva ao home theater; já a sala de jantar dá acesso à de almoço e à cozinha. Nesses ambientes destacam-se o granito preto do piso e das bancadas e as paredes texturizadas (da Formaplas, preço conforme o projeto).Para dar vida aos ambientes, a decoração ficou a cargo do arquiteto Luís Heydt de Barros, que havia decorado três residências anteriores dos proprietários. Mas ele considera esta casa em Itu a mais interessante de todas. "Os volumes leves determinam bem os espaços, que, apesar de amplos, fazem com que a construção seja funcional e prática", explica. Segundo ele, com os filhos crescidos e morando fora, o casal passa boa parte do tempo na residência, que ele define como "contemporânea e aconchegante ao mesmo tempo".Heydt diz que algumas peças do mobiliário foram reaproveitadas de outros imóveis dos donos. "Fizemos uma decoração limpa, que não briga com a arquitetura." Para "quebrar" tanta leveza, nichos com santos barrocos do século 18 e peças de artesanato - paixões da proprietária. Um dos nichos fica na passarela que leva às suítes e outro junto à lareira, enquanto as peças de artesanato se espalham por vários ambientes.No estar, o destaque são as duas poltronas giratórias de couro vermelho (modelo Kudasai, custa R$ 13.156 cada uma, na Brentwood), um piano e uma namoradeira. Já na sala de jantar, a mesa com tampo de vidro da Artefacto tem em volta 12 cadeiras autênticas do designer Sergio Rodrigues, do antiquário Sônia Montiani Século XX. No terraço, do lado oposto ao bar e à churrasqueira, um jogo de sofás, poltronas e mesa de fibra sintética da Saccaro (o conjunto sai por volta de R$ 9.500) e floreiras. "Procurei acompanhar o estilo da casa e o gosto da moradora. Tem algumas coisas lá que adoro, como a arca antiga no passadio e a escultura de rádica de Pedro Petry (com 1,20 m x 0,80 m, custa cerca de R$ 2 mil) no hall de entrada. São peças que refletem o que é esta casa", diz.