Três quartos de bebê - lúdicos, sem gênero e fofos - ideais para espaços pequenos

ROBERTA CARDOSO / REPORTAGEM - O Estado de S.Paulo

Pediatra e arquitetos orientam os futuros pais a criar espaço para acolher um recém-nascido

Estante lúdica ganhou nichos para guardar brinquedos e roupas; formato de casinha criou espaço que servirá para o bebê brincar. 

Estante lúdica ganhou nichos para guardar brinquedos e roupas; formato de casinha criou espaço que servirá para o bebê brincar.  Foto: Raul Fonseca

O nascimento de um filho marca uma nova etapa na vida de qualquer casal. O aumento da família transforma não só a rotina diária dos pais, mas os espaços físicos da casa também. Geradora de ansiedade e expectativas, a montagem do quarto do bebê desponta como um desafio até mesmo para profissionais tarimbados. “Não é nada simples planejar um espaço que atenda além das necessidades da criança, as expectativas dos pais e os apelos do mercado, que oferece tanta fofura”, diz Renato Mendonça, arquiteto responsável por transformar o quartinho de 12 m² em Peruíbe, litoral de São Paulo, no futuro lar de seu afilhado. E Mendonça tem razão. Montar o quarto é coisa séria.

De acordo com o presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), Claudio Barsanti, a questão é de extrema importância para a saúde e segurança do bebê. “Trata-se de prevenção de acidentes e de doenças e também de uma melhor qualidade de vida do recém nascido”, explica. “Mas isso não quer dizer que o quarto deve ficar sem graça. Ele pode ser seguro e também bonito”, ressalta. Segundo o médico, é preciso estar atento à iluminação, a ventilação, a cores, ao design da mobília e aos processos de higienização do ambiente. “Aqueles bichinhos de pelúcia adoráveis que a gente adora colocar em prateleiras podem provocar alergias”, diz. “O mesmo cuidado deve ser aplicado aos móveis. Em poucos meses o bebê estará engatinhando e ele vai querer escalar tudo. É da natureza curiosa das crianças explorar a casa.” Daí esses três projetos que equilibram beleza e funcionalidade.

PRAIANO ATEMPORAL. Ao ser convidado para batizar e projetar o quarto do filho de uma prima, o arquiteto Renato Mendonça teve que mergulhar em pesquisas e leituras junto com os pais do bebê. “Facilitou o fato deles serem médicos. Assim eu fui incorporando ao projeto as demandas do bebê e as preferências dos pais”, conta. E foram muitas. O espaço de 12 m² ganhou iluminação pontual, multiplicou o número de gaveteiros para comportar todo o enxoval e preservou áreas de circulação que serão importantes não apenas para a mãe amamentar e trocar fraldas, mas também para o bebê explorar quando começar a engatinhar. “As luzes são mais fracas para não interferirem na qualidade de sono ou mesmo assustar a criança quando ele acorda na madrugada”, diz. A atemporalidade e a não definição de gênero serviram de base para a decoração. “Por ser um quarto com vista para a praia, o tema escolhido foi o mar. Por isso os tons de azul nas paredes e nos gaveteiros; os tons mais claros lembram a areia”, diz. “Os pais não queriam mudar todo o quarto em dois anos. A medida que ele cresce, basta tirar o berço”, diz. Confira fotos:

Raul Fonseca
Ver Galeria 5

5 imagens

MÚLTIPLA ESCOLHA.  Felipe, o dono do quarto, ainda não completou o primeiro mês de vida. Mas desfruta da estrutura projetada pela mãe, a arquiteta Caroline Oliveira, da Triplex Arquitetura. O ambiente segue o padrão estético da casa – piso de madeira e parede de cimento queimado –, mas traz novidades como os papéis de parede texturizados garimpados em Nova York, os gavetões degradê abaixo do sofá-cama, e a poltrona para amamentação que foge do design convencional e aparece em versão mais leve. “Queria ter espaço para guardar todas as fraldas, roupinhas e brinquedos”, diz a mãe. Outro aspecto levado em consideração foi a ventilação. O berço está estrategicamente fora das possíveis correntes de vento e também em posição que permite pegar a criança com mais facilidade. Para dar unidade, os quadrinhos com mensagens e desenhos foram feitos com sobras de material usados na decoração. “Gosto dos detalhes. São eles que garantem o lado mais lúdico, as historinhas”, explica. Confira fotos:

Felipe Araújo
Ver Galeria 5

5 imagens

BEM-ESTAR MÚTUO. Conforto para o bebê é fundamental. Mas não só para ele. Também para a mãe da criança. Esse foi o ponto de partida da arquiteta Adriana Helú ao projetar o quarto do filho. “Quem cuida passa a maior parte do tempo no quarto com a criança. Tem que ter uma poltrona boa, uma cama confortável, lugar para deixar o celular”, explica. Segundo a arquiteta, no caso, os detalhes decorativos ficaram em segundo plano para complementar o espaço com descontração. “O degradê dos nichos da estante dão vida, mas sem exagero. Eles são e serão muito importantes. Criança ganha muito presente. Precisa ter espaço para guardar tudo isso além dos itens de uso diário e os quartos geralmente são pequenos. É preciso calcular milimetricamente o espaço”, diz. 

Outro ponto que torna o projeto atrativo são as inúmeras possibilidades que ele oferece no futuro. “A medida que o bebê for crescendo, a gente pode fazer alterações pontuais. Trocar o berço por uma cama, botar uma bancada no lugar da cama e assim por diante”, diz. Confira fotos:

Manu Oristiano
Ver Galeria 4

4 imagens

DICAS DO PEDRIATRA

1 - A iluminação do quarto deve ser bem dosada para não estimular demais, nem de menos.A entrada de luz natural é necessária para a criança. Um abajur auxilia quando o bebê acorda à noite.

2- A instalação de redes de proteção em janelas é fundamental para a prevenção de acidentes. Lembre-se que em poucos meses os bebê estará engatinhando e aprendendo a andar, o que aumenta o risco de queda visto que as crianças têm natureza desbravadora.

3 - Evite cortinas de tecidos grossos que acumulam poeira e difíceis de higienizar. Cordas de ajuste também não são recomendadas. 

4- Telas antimosquitos são recomendadas para casas térreas e e apartamentos situados em andares baixos. Importante: crianças não podem ser expostas a inseticidas de nenhum tipo.

5 - Higienização deve ser feita com água, pano úmido e sabão neutro. Produtos aromatizadoss podem gerar um quadro alérgico. 

6 - Evite tapetes e carpetes por causa do acúmulo de poeira, o que pode acarretar problemas respiratórios ao bebê se a limpeza não for feita corretamente. Mas, caso opte por eles, tome a precaução de fixar a peça com fita adesiva no piso para diminuir o risco de quedas.

7- Para evitar escorregões, o piso de madeira é o mais recomendado, apesar de seu custo geralmente mais alto se comparado a outros materiais. Laminados ou pisos de material vinílico são também boas opções por possibilitarem fácil limpeza e manutenção.

8 - Móveis e prateleiras devem estar bem fixados à parede. À medida que os meses passam, as crianças vão engatinhar e depois caminhar. Durante o desnvolvimento, elas tendem a se exercitar escalando móveis e acidentes graves podem eventualmente acontecer.

9- Ar-condicionado deve ser usado com parcimônia. Além de limpeza frequente, é necessário checar se não há ventilação canalizada.