Todo o brilho urbano

- O Estado de S.Paulo

Em seu apartamento paulistano, o decorador Fernando Piva faz um Natal

No 12º andar de um prédio na Avenida 9 de Julho, no bairro do Itaim Bibi, fica o apartamento de Fernando Piva, que mora sozinho e tem o privilégio de observar o skyline de São Paulo através dos janelões do living. Mais urbano, impossível. Por isso, o Casa& convidou o decorador para imaginar uma comemoração de Natal na cidade, ao mesmo tempo chique e casual.  Veja também:Surpresas campestresTudo azul do mar O resultado da decoração ficou bem pessoal, ainda que, segundo Piva, pudesse ser uma recepção organizada profissionalmente por ele. "Gosto de fazer festa e transformar a casa", comenta. Para o designer de interiores, não há data mais peculiar do que a de 25 de dezembro. "É quando a gente pode ser over... Fica difícil ser minimalista nessa época", admite.  Ligado às tendências atuais, o profissional mergulhou na onda dos brilhos metalizados para compor a ambientação. Em vez de elementos temáticos, como personagens natalinos, fica evidente o jogo de volumes e texturas de peças que exploram a beleza de materiais dourados e acobreados. A exceção são as diferentes árvores de Natal, com muitas luzes e também metalizadas, dentre as quais só uma exibe bolas. "A idéia foi evocar a tradição do Natal sem ser óbvio", diz. Clima masculino Embora cada canto revele surpresas, como a cômoda antiga sobre a qual castiçais formam um conjunto luminoso, não há Papai Noel nem presépio. "Isso acabou gerando um clima masculino", considera o dono da casa, para quem a restrição de espaço é outro aspecto que determinou a concepção enxuta. Para ser seletivo, é preciso exercitar a arte de escolher. Foi o que Piva fez ao pinçar enfeites com sua cara na loja de Cecilia Dale. "Ficou fácil resolver essa questão praticamente em um só lugar", comenta ele. Cecilia, uma espécie de expert em Natal, chegou a produzir arranjos exclusivos para a festa, usando a linguagem proposta por Piva. "Misturei folhas douradas, ramos verdes e cristais vermelhos", conta ela. Também vermelhos são os arranjos florais confiados a Monica Rezende, com quem o decorador costuma trabalhar. "Usamos diferentes espécies de flores dessa cor para contrastar com as superfícies brilhantes", explica a florista. E quem poderia montar a ceia? Piva concordou com a sugestão de Viko Tangoda, a quem deu liberdade de criação. "Preferi algo mais tradicional", diz o banqueteiro, que preparou, como prato principal, peru com stuffing de cogumelos e arroz nero. Como a recepção foi pensada para oito convidados e a mesa de jantar da casa tem quatro lugares, a opção foi por um serviço à americana. Balde de gelo com garrafas de espumante e taças de diferentes tipos ficaram sobre a mesa de centro. Outras foram apoiadas no aparador junto às árvores. Com as cadeiras dispostas nas laterais para facilitar a circulação, a mesa de jantar concentrou tanto o cardápio preparado por Viko quanto os pratos empilhados, talheres dourados e guardanapos com tingimento "tai dai" verde, escolhidos a dedo para a ocasião. "São cuidados como esse que fazem diferença", ensina Piva.