Time de estrelas em Milão

- O Estado de S.Paulo

Nomes badalados de todo o mundo marcaram presença em Milão. O Brasil não ficou de fora

Eterno enfant terrible do design italiano, o arquiteto Gaetano Pesce sabe bem o que faz. Como se não bastasse sua exótica coleção Gli Amici para a Meritalia, um verdadeiro zoológico em forma de estofados, ele lançou na Semana de Design uma apoteótica coifa para a Elica, repleta de frutas, verduras e legumes. Criações que geraram polêmica e dividiram opiniões. E que contaram, claro, com sua decisiva presença na noite de lançamento.

Há anos no mainstream, Gaetano sabe a importância do se fazer presente e notado naquela que é a maior das festas para os profissionais do setor. Um desfile interminável de estrelas de todas as grandezas - de talentos em ascensão a profissionais consagrados, que se submetem, gentilmente, ao quem é quem do mundo do design. Na primavera de Milão, é hora de ver. Mas também de ser visto.

Poucos designers dispuseram de tamanha visibilidade nesta edição como a espanhola Patricia Urquiola. Enérgica, atenta e quase sempre disponível, além de brilhar na cenografia criada no Palazzo Visconti para apresentar sua linha de banho para a Axxor, marcou presença em praticamente todas as coleções do primeiro time, incluindo mais uma vez a Moroso (em que dividiu a autoria do estande), a B&B, a Kartell e as gigantes de iluminação.

Por falar em luz, quem definitivamente brilhou durante a Semana de Design foi o inglês Ross Lovegrove. Dono de sensibilidade refinada - e de um conhecimento técnico apurado -, ele assinou o melhor da produção apresentada na Euroluce. Muito em função de suas fantásticas criações, como a série Cosmic, para a Artemide, e a impressionante luminária Andromeda, projetada para a japonesa Yamagiwa.

De longe o mais bem-sucedido entre os japoneses em atividade em Milão, Tokujin Yoshioka viveu seu ano de consagração. Além de uma delicada luminária criada para a Yamagiwa, teve na sua poltrona Paper Cloud um dos grandes destaques da Moroso. A temporada marca ainda a afirmação do talento dos irmãos franceses Erwan e Rowan Bouroullec, com sua Vegetal Chair, para a Vitra.

Por fim, o melhor do desenho brasileiro em Milão. Começando pelos estreantes, como Jum Nakao, presente na Zona Tortona com a luminária Cocar, e Ricardo Prado, com sua Lumini, na Euroluce. E chegando aos consagrados, Sergio Rodrigues - que mais uma vez foi reverenciado em Milão - e, claro, Fernando e Humberto Campana, estrelas na constelação do design internacional.