Somente o necessário

Ana Lourenço - O Estado de São Paulo

Poucos móveis e espaço de sobra: eis a receita desse apartamento paulistano da Vila Leopoldina

Vista geral do living, a partir da porta de entrada do apartamento

Vista geral do living, a partir da porta de entrada do apartamento Foto: Mariana Orsi

O visual neutro é o primeiro dado percebido por quem visita este apartamento de 70 m², na Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo. Assinado por Stella Teixeira e Alexandra Pinho, da Stal Arquitetura, o projeto de interiores foi criado para ser a primeira moradia de um jovem casal. Em síntese, uma casa com estilo próprio, mas avessa a contrastes bruscos.

“A construtora entregou o apartamento totalmente aberto. Assim, o piso de cimento queimado e a laje de concreto aparente foram mantidas, bem como a integração entre os ambientes”, explica Stella. “Acredito que os clientes escolheram o imóvel justamente pela arquitetura do prédio. Por isso, resolvemos manter seus traços na decoração, apenas mudando o recheio”, explica ela.

Segundo a arquiteta, a decoração procurou comunicar a essência de um apartamento urbano, sem muitos elementos e informações. “Os objetos expostos são poucos, mas cada um têm um significado especial”, diz. 

Confira fotos do projeto: 

Mariana Orsi
Ver Galeria 8

8 imagens

Dentre as mudanças mais radicais, a área social foi separada da íntima, que recebeu a suíte do casal. Já o banheiro com acesso pela sala, que antes continha um box, foi transformado em lavabo. De acordo com a dupla de arquitetas, a maior dificuldade de todo o projeto, pois os pontos de esgotos existentes dificultavam a criação do novo ambiente. 

“Criamos um degrau, entre o quarto e o banheiro, para permitir que toda a tubulação ficasse escondida. Eliminamos também o caixilho que separava a cozinha da área de serviço, criando uma bancada que hoje acomoda tanto a pia e a lava-louças, quanto o tanque e a lava e seca”, detalha. Em sintonia com a proposta, os móveis foram escolhidos com base na estrutura do apartamento, daí o predomínio da madeira e do cinza. Colorido mesmo, só o grande tapete da sala e o armário da cozinha. 

“Trata-se de um projeto que se torna especial pelos seus detalhes. Tem o nosso toque, mas também a cara dos nossos clientes. Entender a vontade deles e colocá-la em prática foi essencial para que conseguíssemos fazer um trabalho legal”, conclui Stella.