Sob o mesmo teto

Natália Mazzoni - O Estado de S.Paulo

Arquitetas criaram base neutra para dispor objetos de coleção dando o devido destaque a cada um deles

Obras de Candido Portinari, Alfredo Volpi e Di Cavalcanti na parede da lareira. As cadeiras são de Paulo Mendes da Rocha e Camille Kachani

Obras de Candido Portinari, Alfredo Volpi e Di Cavalcanti na parede da lareira. As cadeiras são de Paulo Mendes da Rocha e Camille Kachani Foto: André Klotz/Divulgação

Peças compradas em antiquários, mobiliário com design assinado e obras de arte contemporânea dividem espaço neste apartamento de 280 m², na zona sul de São Paulo. Para que tantas propostas diferentes não criassem ruído, mas, sim, um ambiente rico em detalhes, as sócias do escritório Now Arquitetura e Interiores, Carolina Sassi e Julia Barros, trabalharam para construir um pano de fundo neutro, mas não entediante. 

“Em um projeto como este, temos de tomar cuidado para que a decoração não deixe o apartamento parecendo um antiquário, já que as peças que os clientes garimpam e colecionam são bem marcantes. Para isso, criamos um fundo cinza e incluímos algumas pinceladas de cores”, diz Carolina. Outro recurso usado para dar mais bossa ao projeto foi propor usos menos óbvios de peças clássicas, como o lustre usado em cima da mesa lateral do living e não no centro do ambiente. 

Na parede principal da sala, onde fica a lareira, a composição de quadros assinados por artistas em sua maioria modernistas foi combinada a uma dupla de cadeiras bem diferentes. “Foi uma questão de olhar para esse acervo que os clientes têm e pensar de que maneira isso poderia habitar os espaços, fugir das montagens mais óbvias. Para trazer um toque moderno, incluímos alguns itens mais contemporâneos”, conta Julia. 

André Klotz/Divulgação
Ver Galeria 11

11 imagens

Na sala de TV, um tapete de linha mais clássica que o usado no estar foi combinado às cores vibrantes das obras de Estela Sokol. “Essas obras são bem especiais no projeto, a escolha e posicionamento no ambiente definem a linguagem que a gente buscou, uma mistura de antigo e contemporâneo”, acrescenta Carolina. 

Nas suítes, as arquitetas destacaram o gosto de cada habitante e usaram piso vinílico em uma das decisões mais práticas do projeto. “Os clientes sofrem com alergia e achamos que esse seria o piso mais fácil de ser limpo, já que o cachorro tem acesso à área íntima”, diz Julia. Na decoração feita para uma das filhas do casal, apaixonada por moda, a cama está repleta de almofadas supercoloridas assinadas pela estilista Adriana Barra. E a estante de livros ocupa o lugar tradicionalmente reservado ao criado-mudo. “Em outra suíte, fizemos uma composição de quadros para que o ambiente ficasse mais descolado.” 

A copa ganhou charme com a parede repleta de louças inglesas, garimpadas pelos clientes ao longo dos anos. “Posicionamos as peças de maneira alinhada, enquadramos todos os itens como em um retângulo, trazendo uma linguagem mais atual para algo tão clássico”, explica Julia. A mesa oval com tampo de mármore e cadeiras brancas completam a composição. “Cada coisa dentro deste apartamento é querida pelos moradores. Nosso papel foi fazer com que tudo fizesse sentido na decoração como um todo.”