Rumo ao futuro

Marcelo Lima - O Estado de S.Paulo

Arquitetos paulistanos do FGMF comentam os 15 anos de fundação de seu escritório e os muitos prêmios conquistados no Brasil e no exterior

A partir da esq.,os arquitetos e sócios, Fernando Forte, Lourenço Gimenes e Rodrigo Marcondes Ferraz

A partir da esq.,os arquitetos e sócios, Fernando Forte, Lourenço Gimenes e Rodrigo Marcondes Ferraz Foto: divulgação

Para Fernando Forte, Lourenço Gimenes e Rodrigo Marcondes Ferraz, amigos na FAU/USP e hoje sócios no FGMF Arquitetos, não faltam motivos para comemorar. Ao completar 15 anos, o escritório do trio desfruta de um reputação rara, tanto no Brasil quanto no exterior. São 310 projetos realizados, publicações em mais de 20 países, além de prêmios e menções em instituições de peso.

Espécie de cereja do bolo, o número 21 da revista Monolito (a incensada publicação de arquitetura, coordenada por Fernando Serapião) vem com recheio especial. Serão 15 projetos FGMF escolhidos a dedo para ilustrar muito do que já foi feito. Mas também apontar o que vem por aí. Como eles adiantaram em entrevista ao Casa.

Como arquitetos, vocês sentem estar produzindo arquitetura brasileira ou arquitetura contemporânea, no caso, no Brasil?

Fernando Forte: Acredito em uma terceira via: somos arquitetos brasileiros produzindo arquitetura contemporânea. Sempre seremos brasileiros e sempre faremos arquitetura contemporânea. Assim, mesmo projetando fora do Brasil, não temos como abrir mão das nossas referências e de nossa forma de pensar, com a generosidade característica dos brasileiros. Ainda que os condicionantes locais sejam diferentes e impliquem em novas abordagens.

A Casa Grelha, construída na Serra da Mantiqueira, premiada pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil

A Casa Grelha, construída na Serra da Mantiqueira, premiada pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil Foto: divulgação

Os projetos do FGMF têm se caracterizado pela preocupação em trabalhar o conjunto de cada obra e não apenas em focar um de seus aspectos. Como isso acontece na prática?

Lourenço Gimenes: Para nós, o ponto de partida adotado em cada projeto nunca fica refém de um único fator. Ele é uma composição de diversas ideias, ainda que elas tenham pesos diferentes e nem sempre sejam visíveis ou imediatamente identificáveis. Uma preocupação comum em nossos trabalhos é tentar aprimorar os espaços intermediários nos edifícios. Ou seja, tratar a transição entre dentro e fora por meio de limites pouco rígidos, de forma a sugerir continuidade, integração com o meio.

Vocês desenvolvem intensa atividade internacional. Como veem a inserção da nossa arquitetura contemporânea no mercado internacional? O País já é reconhecido por ela ou continua valorizado, sobretudo, por suas glórias modernistas?

Rodrigo Marcondes Ferraz: De fato, o legado modernista ainda pesa. Entretanto, após um longo período em que os arquitetos brasileiros ficaram um pouco reclusos por aqui, a nova geração ganha cada vez mais espaço no exterior. Considero que a arquitetura brasileira vive um processo de florescimento, de aumento de qualidade. Não me surpreende, portanto, que um número maior de brasileiros seja hoje convidado a participar de congressos ou mesmo a projetar lá fora. Com isso, nossa visibilidade só tende a aumentar.

O complexo comercial projetado para Brasília, que ganhou o prêmio Re-Thinking The Future

O complexo comercial projetado para Brasília, que ganhou o prêmio Re-Thinking The Future Foto: divulgação