Projeto aposta em muitos tons de cinza

Luciana Carvalho - O Estado de S.Paulo

Uniformidade na escolha das cores amplia a sensação de unidade e a percepção de espaço

Uma das suítes foi aberta para a sala, ampliando a área social. O sofá principal, maior e com assento único, serve como cama para quando a proprietária recebe hóspedes 

Uma das suítes foi aberta para a sala, ampliando a área social. O sofá principal, maior e com assento único, serve como cama para quando a proprietária recebe hóspedes  Foto: Alain Brugier

A planta original desse apartamento de 76 m², com duas suítes, terraço e cozinha convencional, ficou irreconhecível depois da intervenção da arquiteta Fernanda Moreira Lima, que dotou o imóvel de uma suíte com banheiro maior, um living mais espaçoso, uma cozinha americana e um, até então, inexistente, home office. “A moradora aceitou abrir mão da segunda suíte, se tivesse espaço na área de estar para acomodar um hóspede. Daí o tamanho do sofá principal da sala, grande e com assento único, pensado para servir como cama em uma eventualidade”, pondera Fernanda.

VEJA FOTOS DO PROJETO

Outra contribuição da profissional, a paleta de cor quase monocromática e o uso exclusivo de marcenaria clara, foi a receita certeira para que o projeto alcançasse a unidade e a leveza desejadas para se tornar o lar de uma moça recém-saída da casa dos pais. 

E foi assim que, com esse objetivo em mente, a arquiteta optou por usar, sem medo, um único tipo de revestimento cimentício em todos os pisos e paredes: o Mr. Cryl, da Protécnica. Somente a área de serviço recebeu pintura e porcelanato no piso, assim como o box da suíte. “O cimento é jovial, como a moradora”, diz a arquiteta.

Resolvida a questão, como preservar a unidade do projeto nos demais itens como móveis e acessórios? “Continuar com o cinza”, dispara Fernanda, que aplicou a mesma cor também nos estofados, deixando pontos em cores mais intensas a cargo das obras de arte e dos detalhes da decoração, que ganharam tons entre o nude e o azul claro. 

Para finalizar a composição desse universo cinza – mas não cinzento –, a escolha da madeira carvalho se impôs. “O tom claro e suave desta variedade só agregou ao equilíbrio visual e à suavidade pretendidos para a casa de uma moça solteira”, diz.