Ponte Brasil-Itália

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

O arquiteto italiano Andrea Zanocchi e a designer de produtos brasileira, Carolina Starke, comentam o trabalho conjunto que realizam desde 2013

O banco desmontável Frida, peça já apresentada no Salão do Móvel de Milão

O banco desmontável Frida, peça já apresentada no Salão do Móvel de Milão Foto: Estúdio Zanocchi e Starke

O Zanocchi & Starke é um estúdio de design fundado em 2013, em Turim, Itália, pelo arquiteto italiano Andrea Zanocchi e pela designer de produtos brasileira Carolina Starke. Pensados para atender a um mercado jovem e globalizado, os produtos da dupla apostam em interação e vêm sendo bem recebidos aqui e lá fora. Para eles, mais do que perseguir a qualquer custo uma ideia nova, é a partir da reorganização de coisas já existentes que podem brotar outras. Como eles afirmaram nesta entrevista exclusiva ao Casa. 

Como se conheceram e como surgiu a ideia de desenvolver um trabalho conjunto?

Andrea Zanocchi: Nos conhecemos em 2011 em Turim, ainda estudantes. Costumávamos trocar ideias sobre projetos, até que nos arriscamos a desenhar coisas juntos, e disso surgiu a luminária Ludovia que, ainda protótipo, foi finalista no Salão Satélite. Porém, a parceria oficial só surgiu em 2014 quando outros de nossos produtos, a mesa lateral e o banco Frida, foram selecionados para integrar uma exposição durante o Salão do Móvel de Milão. A experiência foi tão intensa que decidimos abrir de vez o nosso escritório. 

Onde o design de vocês é mais italiano, mais brasileiro e mais transnacional?

A.Z: Partilhamos uma vocação industrial, que influencia tanto nosso processo criativo quanto o produtivo. Nossos produtos nascem de necessidades especificas e são desenvolvidos com máxima atenção à sua viabilidade. Acreditamos ser essa abordagem tipicamente italiana, na tradição do melhor ‘desenho industrial’. Brasileiros somos em trabalhos mais recentes, sobretudo na escolha de materiais e cores. Já o que ultrapassa fronteiras, sem dúvida, são as qualidades universais do bom design: funcionalidade, atenção aos detalhes, durabilidade. Sendo essa última, na nossa visão, intimamente ligada a um design de fato sustentável.

Consideram que para um jovem designer é mais fácil atuar no Brasil ou na Itália? 

Carolina Starke: A tradição do desenho industrial faz com que na Itália as empresas invistam mais em originalidade. Isso gera um mercado muito dinâmico. No Brasil, há menos competitividade, ainda que apenas numérica. Além disso, aqui, o futuro aponta para uma quase condição: em poucos anos, uma empresa que não conecte seus produtos ao design não poderá ambicionar a excelência.

O arquiteto italiano Andrea Zanocchi e a designer de produtos Carolina Starke na poltrona Nastro, desenhada para a Breton.

O arquiteto italiano Andrea Zanocchi e a designer de produtos Carolina Starke na poltrona Nastro, desenhada para a Breton. Foto: Estúdio Zanocchi & Starke