Plantas e árvores invadem os ambientes da Casacor 2018

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Principal mostra de decoração e paisagismo residenciais do País, mostra aponta a natureza como elemento essencial na configuração da casa contemporânea

Cisterna da Deca, projeto de Osvaldo Tenório que mescla características de ambiente interno e externo

Cisterna da Deca, projeto de Osvaldo Tenório que mescla características de ambiente interno e externo Foto: Zeca Wittner / Estadão

Ao longo da história, nossas casas, para não dizer nossas cidades, foram construídas senão para dominar, ao menos para manter a natureza sob controle. Não deixa de ser curioso portanto que, para grande parte dos arquitetos, o desafio que se coloca hoje é o oposto, ou seja, trazer a natureza de volta para o convívio doméstico e colocar a tecnologia, dentro do possível, em segundo plano.

Espécie de vitrine do melhor da arquitetura de interiores, decoração e paisagismo residencial produzidos no País – visto que a mostra conta com a participação de profissionais de vários estados – é sob esta perspectiva que a 32ª edição da Casacor abre suas portas na terça-feira, 22, na sua já tradicional locação, o Jockey Club. Partindo do tema ‘Casa Viva’, a ideia foi reforçar a presença da natureza em seus 80 ambientes, fazendo dela elemento essencial na configuração da morada contemporânea. 

“A mostra oferece exemplos concretos de como a biofilia pode ser aplicada nas nossas casas, dinamizando nossa experiência cotidiana”, afirma Livia Pedreira, diretora superintendente da Casacor, citando uma das linhas de pesquisa do biólogo norte-americano Edward Osborne Wilson, que fala do amor instintivo que sentimos pela natureza, e que explica porque nos sentimos tão bem diante de sons, cores, cheiros e texturas que nos religam a ela. 

Os interiores do ambiente de Tenório, concebido como um espaço consagrado ao relaxamento e ao bem-estar

Os interiores do ambiente de Tenório, concebido como um espaço consagrado ao relaxamento e ao bem-estar Foto: Zeca Wittner / Estadão

Uma proposta acolhida com entusiasmo pelo elenco Casacor, que acabou por se traduzir em espaços altamente sensoriais, onde a presença maciça de plantas e árvores, muitas delas centenárias, ajudou a diluir a fronteira entre interiores e exteriores e, em dimensão mais expandida, enfatizou uma maior atenção a aspectos relacionados à preservação ambiental. 

“Precisamos redefinir uma aliança mais cordial entre os mundos natural e artificial”, defende Livia, ressaltando o predomínio na mostra de construções mais sustentáveis e autorais. “Existe um desejo de ser único, de fazer da casa um refúgio frente ao avanço da tecnologia. Inexistem tendências unificadoras, o que, aliás, me parece muito mais saudável”, afirma. 

Em síntese, uma mostra, em seu conteúdo e formato, de fato eclética, que o Casa apresenta hoje em primeira mão e que você começa a desvendar nas próximas páginas. Boa visita!

A MOSTRA EM NÚMEROS:

9 semanas de duração, de 22 de maio a 29 de julho

17.028m² de área total ocupada

3 mil operários, com movimento médio de 700 pessoas por dia

110 profissionais participantes, entre arquitetos, designers de interiores e paisagistas

82 espaços em exposição, entre casas, lofts, estúdios, ambientes exclusivos e duas instalações especiais

20 áreas verdes, incluindo jardins, praças e terraços

110 mil público estimado

SERVIÇO

Casacor 2018

DE 22/05 A 29/07

DE TERÇA A SÁBADO, DAS 12H ÀS 21H. DOMINGOS, DAS 12H ÀS 20H.

INGRESSOS DE R$ 60 A R$ 76, INCLUINDO MEIA-ENTRADA.NO JOCKEY CLUB, AV. LINEU DE PAULA MACHADO, 87

MAIS CASACOR:

Casacor: reflexos dos novos tempos

Lofts e estúdios confirmam tendência de plantas menos convencionais

Conforto máximo: salas e quartos enfatizam relaxamento na Casacor

Ambientes integrados são nova fórmula para cozinhas e banheiros

Conheça os jardins da Casacor 2018