Pequenos, mas só na metragem

Roberta de Lucca - O Estado de S.Paulo

São três projetos, todos exemplos de como grandes idéias fazem crescer espaços reduzidos. Da mudança pontual na arquitetura à produção de móveis sob medida. Mais: nas páginas 16 e 17, uma seleção de peças para decorar ambientes 'acanhados'

Morar em um apartamento pequeno não significa viver num "apertamento", como se costuma dizer. Mudanças pontuais na arquitetura, escolha de móveis adequados e produção de peças sob medida são aliadas na hora de transformar ambientes reduzidos em um lugar gostoso de habitar. Idéias em realce nos projetos selecionados pelo Casa&.  Veja:Reaproveitar, o lema de MaristelaMarcenaria, a aposta de PaulaAmpliar, o desejo de JulioEm 50 m², a decoradora Maristela Gorayeb reaproveitou os móveis da executiva que acabara de se mudar de um imóvel três vezes maior. No caso de um loft de 60 m², a arquiteta Paula Bittar valeu-se da marcenaria sob medida para guardar os pertences de uma especialista em Recursos Humanos. E o radialista Julio de Paula comandou, sozinho, a reforma do apartamento de 72 m², criando a morada que mescla visual contemporâneo com peças do artesanato brasileiro. Apenas três exemplos, mas com idéias suficientes para mostrar que um apê "acanhado" pode guardar (boas) surpresas do bem viver.