Paisagem brasileira

Marcelo Lima - Impresso

Designer e artista plástica criam coleção para a Porcelana Schmidt

Prato reproduz paisagem da antiga Vila Rica 

Prato reproduz paisagem da antiga Vila Rica  Foto: Divulgação

Amigas de longa data, a designer de joias italiana Francesca Romana Diana e a artista plástica brasileira Lelli de Orleans e Bragança sempre acalentaram um sonho comum: levar à mesa um pouco do trabalho que juntas realizam na área de joalheria há mais de sete anos. “Em minhas mãos as telas dela viram pulseiras, anéis e pingentes. Daí pensei: por que não uma linha de porcelanas?”, conta Francesca, que aproveitou um encontro das duas na sede da Schmidt, tradicional fábrica de porcelanas, localizada em Pomerode (SC), para efetivar a parceria. “Me encantei pelo cuidado que cada peça recebia”, comenta Lelli, que imediatamente pensou em incorporar aos pratos da marca algumas das paisagens de cidades brasileiras que pintou quando criança.

Aceita de imediato pela dupla, a oportunidade de desenvolver uma linha para a Schmidt com referência ao tema levou menos de um ano para ser concretizada. “Além dos modelos tradicionais, incorporamos várias peças especiais à linha, incluindo minipratos para guardar objetos e até mesmo manteigueiras.” E foi sobre Paisagem Brasileira, coleção desenvolvida a quatro mãos pela dupla, que elas falaram ao Casa.

Desenho dos Arcos da Lapa, no Rio

Desenho dos Arcos da Lapa, no Rio Foto: Divulgação

De onde surgiu o interesse de vocês em desenvolver uma linha de porcelanas?

Lelli de Orleans e Bragança: Sempre comentávamos que não existia no mercado uma linha de porcelanas com decoração genuinamente brasileira, à semelhança da tradicional porcelana napolitana Capodimonte, por exemplo. Há algum tempo eu já desenhava estampas com, digamos, DNA brasileiro para a Schmidt, invocando temas de nossa fauna e flora, como borboletas, palmeiras e bananeiras. Mas, por terem feito parte de um momento tão especial da minha vida, essa coleção que reproduz paisagens em sépia do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Bahia representa uma espécie de consagração. Um verdadeiro presente.

Por que a opção inicial por retratar nos pratos elementos de nossa paisagem nativa?

Francesca Romana Diana: A Lelli sempre foi apaixonada pela natureza do Brasil e as palmeiras imperiais têm um significado muito forte para ela, assim como as borboletas, presentes na maioria de suas telas, há mais de 20 anos. Para mim, sempre pareceu válida a ideia de colocar à venda nas melhores lojas porcelanas feitas por mãos brasileiras, enfocando temas nacionais. Sem falar na enorme riqueza e expressividade de nossa flora e fauna.

Desenho do Pátio do Colégio, em São Paulo

Desenho do Pátio do Colégio, em São Paulo Foto: Divulgação

Qual a participação de cada uma no projeto?

LOB: Desde pequena eu pintava, com minha mãe, paisagens em sépia nos pratos de porcelana. Quando decidimos tocar o projeto, a Francesca escolheu quais delas fariam parte de nosso novo serviço da Schmitd e emprestou o anel metálico, presente em um de seus pratos para a marca, para emoldurar minhas pinturas. Fiquei muito orgulhosa, particularmente por me fazer lembrar dos muitos momentos vividos com minha mãe.