O móvel e seu ciclo de vida

Marcelo Lima - O Estado de S.Paulo

Conheça os móveis criados pelo estúdio T44, dos irmãos designers catarinenses Dennys e Patrick Tormen

A linha Java de suportes para vasos

A linha Java de suportes para vasos Foto: Dennys Tormen

Baseado em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, o T44 STUDIO é uma marca que se ocupa de todas as etapas de fabricação de seus produtos: do projeto à entrega. “Nosso modelo de negócio é baseado na produção local e na venda online. Desta forma temos conseguido conciliar a exclusividade de um produto feito em pequena escala, com um custo acessível para nosso público, de todo Brasil”, conforme afirmou Dennys Tormen, desenhista industrial por formação e sócio do irmão Patrick, engenheiro ambiental, desde 2014, nesta entrevista exclusiva ao Casa, na qual a dupla catarinense apresenta seu trabalho a nossos leitores.

Quais valores e conceitos são enfatizados nos produtos criados pelo T44?

Dennys Tormen: Nosso maior objetivo é melhorar a vida das pessoas e trazer um impacto positivo para o mundo. Buscamos materializar soluções simples e equilibradas levando em conta aspectos funcionais, estéticos e de sustentabilidade, sempre procurando trazer as pessoas para o centro do projeto. O aço é nossa matéria-prima por excelência. Um material abundante, nacional, relativamente barato, resistente e maleável, que pode ser trabalhado por processos manuais ou automatizados. Além disso, pensamos que hoje é absolutamente necessário ter uma visão ampla de todo o ciclo de vida de um produto e as peças de aço podem ser restauradas ou modificados ao longo dos anos, além do que o material pode ser reciclado. Desta forma, procuramos colocar no mercado produtos duráveis e com baixa obsolescência, dentro de uma estética minimalista e mais atemporal. Criar produtos multifuncionais, que sirvam a diversas pessoas, ambientes e situações também contribui para isso.

Vocês executam seus produtos quase que inteiramente por conta própria. O que isso acrescenta de exclusivo e de particular aos projetos?

Patrick Tormen: A maior parte dos processos são executados no nosso galpão, o que nos dá maior autonomia para desenvolver nossas ideias. Também temos um controle bem maior sobre o acabamento das peças. Por exemplo, a soldagem é uma etapa que exige bastante tempo e paciência, por isso é um processo difícil de ser terceirizado para manter a qualidade que perseguimos. Já processos automatizados, como cortes e dobras, podem ser terceirizados com precisão. Na verdade, alguns detalhes da produção só são percebidos na prática e estar próximo de todos os processos auxilia muito na hora de projetar. Por fim, o produto sai daqui direto para o cliente, o que otimiza o transporte e diminui eventuais problemas.

Quais os prós e os contras de produzir em pequenas escalas ou em tiragens limitadas?

DT: O lado negativo é a limitação de processos que temos à nossa disposição, ou seja, tendemos a nos ocupar sempre das mesmas matérias-primas e técnicas de transformação. O que, inevitavelmente, acaba encarecendo um pouco o custo unitário, o que dificulta nosso acesso a um numero maior de clientes. O lado positivo é que conseguimos ter controle total sobre todos produtos que saem daqui. Podemos testar com mais liberdade, além de que, ver a peça se materializando é muito gratificante.

 

Da linha O.U o cabideiro 

Da linha O.U o cabideiro  Foto: Dennys Tormen

Os irmãos Patrick e Dennys Tormen.

Os irmãos Patrick e Dennys Tormen. Foto: Dennys Tormen