Na medida certa

ADRIANA DEL RÉ - O Estado de S.Paulo

Na enxuta cozinha de seu apartamento, Mara Linhares testa receitas que incrementam o cardápio do Trio

É como se fosse um ritual. Quando pisa na cozinha com vista panorâmica para o bairro do Morumbi, Mara Linhares abre um bom vinho, relaxa e pensa na receita que vai preparar para a família, principalmente nos fins de semana. Ela começa a reunir, sem pressa, os ingredientes tirados da pequena geladeira ao lado da adega, a desengavetar utensílios e panelas e, se for preciso, a consultar os livros de receita.

Mara, que ao lado do marido, Dudu, comanda o restaurante Trio, na Vila Olímpia, construiu ali um universo muito particular. A decoração da cozinha é uma extensão do que se vê por todos os cantos no amplo apartamento de 320 m². Das viagens, dentro ou fora do País, essa paulistana de 45 anos gosta de trazer na bagagem algum objeto como recordação.

Na cozinha, tudo tem o dedo dela: desde os brinquedinhos trazidos de Santa Fé (Estados Unidos) até as canecas divertidas da Itália. Sem contar as peças afetivas, que são herança de família e conservadas como troféus, como a coleção de copos de cristal que repousam numa prateleira. Logo abaixo, um painel horizontal com fotos de Paris em P&B, clicadas por Dudu, faz uma bela composição - e soluciona a sensação de espaço vazio.

É lá que Mara passa algumas horas testando receitas, muitas aprendidas em viagens. As cobaias são os três filhos, de 9, 15 e 17 anos. Dependendo da repercussão em casa, o prato pode ser incorporado ao cardápio do Trio. Foi assim com as chicken fajitas (panquecas à moda mexicana que ela ensina ao leitor do Casa&). "Experimentei fajitas num restaurante Tex-Mex, em Santa Fé. Depois pesquisei a receita."

De família italiana, Mara diz ter aprendido muito com a avó. "Ela não fazia comidas sofisticadas, mas muito gostosas." No Trio, ela não coloca a mão na massa: cuida do espaço de eventos, e o marido, do restaurante. "Trabalhei na Daslu como gerente durante quase 12 anos, mas queria respirar novos ares." Em 2006, juntou-se a Dudu nos negócios e se encontrou.

A cozinha de 18 m² foi fruto de uma resolução repentina. No meio do caminho havia um bar, inútil para eles. A solução foi eliminá-lo, fechar a parede e criar uma cozinha anexa para os momentos gourmet do casal, reservando para a cozinha já existente o fluxo do dia a dia. Para ampliar o novo ambiente, foi usada uma parte da despensa. "A gente gosta muito de cozinhar e a casa tem sempre movimento. A outra cozinha ficava muito tumultuada."

Dois em um

Eles tinham a ideia do projeto, mas precisavam da ajuda de alguém. Recorreram à arquiteta Silvia Bahia Monteiro. "Criei dois ambientes no mesmo espaço: um é a cozinha e o outro, a sala de jantar. A louça ficou no armário do fundo da sala de jantar e o restante, na cozinha", explica Silvia. Os armários, de madeira pré-composta, dominam as paredes. Não havia como ser diferente, já que a dona da casa tem muita coisa.

Lá, Mara guarda seus objetos preferidos para cozinhar, como o espremedor de alho Zyliss (R$ 85, na Raul?s). Ela usa e abusa da panela Wok (nas Americanas, a da Tramontina custa R$ 149,90) e do conjunto de tábuas de bambu, trazido dos Estados Unidos.

Para quebrar os tons predominantes branco e de madeira, Silvia providenciou o revestimento de uma das paredes de mosaico Vidrotil vermelho (de 2 cm x 2 cm, R$ 513 o m²). A coifa de parede (R$ 3.990), o cooktop de 2 bocas Dominó (R$ 899, a gás) e a adega para 30 garrafas (R$ 1.990), da Spicy, são feitos sob medida para espaços enxutos como esse.