Mescla de influências

- O Estado de S.Paulo

A Praça Casa Cor, meio mediterrânea, inglesa e brasileira, foi a mais votada como um 'Belo jardim'

Ao atravessar o portão, um clima de paz invade quem chega à Praça Casa Cor, de Gilberto Elkis, espaço com mais de 600 m². O projeto, com bica d?água a criar um barulhinho bom, beneficiou-se do imenso jatobá nativo, que fica centralizado e projeta sua sombra. Canteiros de flores e cercas vivas de treliças criam um clima de microcosmo. Há influências mediterrâneas, inglesas, mas também brasileiríssimas. Afinal, não dá para deixar de se lembrar daqueles jardins das pracinhas do interior, imagem arraigada no inconsciente coletivo nacional. Estão ali, por exemplo, os bancos para descanso, além do piso de tijolo e pedra juazeiro fazendo os caminhos. Dos revestimentos aos equipamentos de ferro envelhecido, tudo colabora para uma criação harmônica - e que vai além do recurso perigoso de meramente estilizar aqueles recantos tão típicos do País. Construído em dois níveis, com plantas de portes diferentes, as espécies realçam tropicalidade. Duas oliveiras foram acomodadas em vasos, além de laranja, limão, acerola, alecrim, manjericão... Repare como singeleza e certa geometria são pontos altos.