Integrado e colorido: conheça esse projeto de 48 m² no Brooklin

Ana Lourenço - O Estado de S. Paulo

Além de propor soluções para amplitude do espaço, arquiteta Lucila Mesquita trabalhou as cores de modo pontual

Sala ganhou móveis e objetos de diferentes cores

Sala ganhou móveis e objetos de diferentes cores Foto: Gisele Rampazzo

Solucionar a questão do espaço em apartamentos compactos não é uma tarefa fácil. Ainda mais quando falamos de um estúdio de 48 m², como este no bairro do Brooklin, na zona sul de São Paulo. O projeto, feito em apenas 45 dias pela arquiteta Lucilla Mesquita, exigiu criatividade para que o resultado final fosse funcional e ficasse de acordo com a personalidade da moradora. 

Na planta original, a varanda ocupava quase um terço do apartamento. “No entanto, uma vez que, o estilo de vida da cliente não exige ambientes externos, abrimos mão dessa área e tivemos um espaço melhor aproveitado”, esclarece a profissional. 

A parede esquerda da antiga varanda, foi, então, destinada à bancada da cozinha, além de geladeira, filtro, armários superiores, gabinete e lava-louças. Logo em frente, foi posicionada a única mesa do apartamento. “Ela foi colocada propositalmente no centro do projeto, devido às suas múltiplas funções: trabalho, jantar, reuniões”, explica Lucilla. 

A integração da área externa fez com que o apartamento tivesse maior iluminação e ventilação natural. Mas, para completar a luz, spots e luminárias de LED também foram adicionadas ao projeto luminotécnico.

Confira as fotos do apartamento:

Gisele Rampazzo
Ver Galeria 6

6 imagens

Além da retirada do caixilho e do nivelamento do piso da varanda, foi necessário fazer adaptações elétricas e alterações hidráulicas devido às mudanças. No que diz respeito à integração dos ambientes, as obras foram amenizadas, afinal, a planta original já trazia essa solução. 

Dessa forma, a circulação do apartamento se dá na forma de U. “Após passar pelo corredor de entrada, é possível ter toda a compreensão do ambiente único. Apenas o quarto e o banheiro têm barreiras físicas de espaço. De resto, tudo foi completamente integrado”, detalha Lucilla.

O banheiro foi mantido com a proposta original, enquanto o quarto teve cortinas estilo blackout acrescentadas, para dar privacidade à moradora e, ainda, garantir que a intensa luz do living não atrapalhe na hora do descanso. 

Outro diferencial do projeto é o uso das cores. Elas são trabalhadas somente nos objetos, enquanto toda a base do apartamento permanece neutra. O amarelo ganha destaque na marcenaria da cozinha; o banheiro tem o fúcsia como protagonista; o azul esverdeado está presente no sofá e na cabeceira da cama. Finalmente, todas as cores se juntam ao longo do projeto inteiro, em almofadas, luminárias e objetos decorativos.

Uma das exigências da moradora era a presença de muitos locais de armazenamento. Por isso mesmo, quase todos os móveis têm dupla função. A escada para subir à cama, por exemplo, é um compilado de gavetas. Já o sofá tem encosto com baús e gavetões como base. Tudo pensado para ocupar o menor espaço possível e ser visualmente bonito.

“O objetivo era que os ambientes fossem bem resolvidos e equipados. Dessa forma, não foi preciso abrir mão de nada, nem mesmo da lavadora de roupas, que fica escondida em um dos armários”, conta a arquiteta. Essa brincadeira de esconde-esconde no desenho, junto com o uso intenso das cores, faz com que todo o projeto reflita um ar alegre e divertido.

A própria apresentação do quarto da moradora lembra um palco, graças à sua posição em frente ao living e à presença de cortinas. “O estilo remete a todas as minhas diretrizes de projeto: cores, boa circulação, detalhes de marcenaria e boa experiência do usuário”, afirma Lucilla.

Um apartamento prático, dinâmico e colorido. Exatamente como a sua dona. Uma jornalista, viajante do mundo, que adora receber amigos, mas ter também o seu momento reservado. “O projeto foi pensado para que somente os lugares privados fossem fechados. O resto é único”, finaliza a arquiteta.