Fora da caixa

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Minimalista e sem nenhum apelo nostálgico, projeto vencedor na categoria Melhor Cozinha, se concentra no essencial

Únicos móveis na cozinha de Hess, três banquetas desenhadas pelo arquiteto finlandês Alvar Aalto 

Únicos móveis na cozinha de Hess, três banquetas desenhadas pelo arquiteto finlandês Alvar Aalto  Foto: Zeca Wittner

Felipe Hess concebe a Casacor como um espaço aberto à experimentação. Daí a firme determinação, desde o início do projeto em não projetar uma cozinha tradicional, com uma atmosfera envolvente e um apelo nostálgico. Muito pelo contrário. É de futuro que nos fala a Cucina Pietra, ambiente vencedor na categoria Melhor Cozinha, que assinala a primeira participação do arquiteto na mostra.

Rarefeita em termos de móveis e acessórios, mas solidamente construída, a cozinha de 85 m² de Hess, surpreende por sua essencialidade. No centro, uma ilha com tampo de resina, destinada, a um só tempo, à preparação e ao consumo de alimentos, aparece pontuada por uma grande coifa, de desenho escultural. Ao seu redor, um muro de pedra oculta portas de acesso aos armários e também pequenos nichos destinados ao armazenamento de eletrodomésticos. Sem qualquer excesso, mas tampouco prejuízos à expressividade e ao funcionamento do espaço. 

Confira as fotos da Melhor Cozinha 2019, segundo o Prêmio Casa:

Zeca Wittner
Ver Galeria 4

4 imagens

Reforçando a unidade da composição, o piso, de ladrilho hidráulico, parece se fundir aos demais volumes da composição, enquanto as placas ranhuradas que revestem os armários, produzidas artesanalmente, uma a uma, conferem um toque handmade ao cenário de laboratório, minimalista e tecnológico, da cozinha. Tudo realçado por uma iluminação de característica tênue e difusa.

“A aparência é fria, mas tudo é muito bem pensado e desenhado. É uma cozinha em sintonia com seu tempo”, destacou o jurado e arquiteto Gianfranco Vannucchi. Ainda mais conceitual, o fotógrafo Tuce Reinés destacou a ligação entre rochas e culinária. “Desde o monjolo, passando pela tábua de bater, a pedra sempre teve muito a ver com o cozinhar”, pontuou.