Entenda qual o melhor ar-condicionado para sua casa

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Para enfrentar a onda de calor, aprenda a calcular a potência de BTUs, quando escolher modelos fixos ou portáteis e veja dicas para economizar no consumo de energia elétrica

Sala decorada por Barbara Dundes incorpora aparelho de ar condicionado à decoração do ambiente 

Sala decorada por Barbara Dundes incorpora aparelho de ar condicionado à decoração do ambiente  Foto: Manu Oristanio

Só mesmo quando um calorão como este bate à nossa porta é que nos damos conta de o quanto investir em um aparelho de ar- condicionado pode ajudar a ampliar nossas condições de bem-estar. Mas é só nos decidirmos pela instalação do equipamento para nos depararmos com outra questão: afinal qual o modelo mais adequado para cada tipo de ambiente?

“Em função da variedade de parâmetros ambientais que devem ser satisfeitos, cada projeto necessita de condicionadores de diversos tipos e capacidades. Se uma potência imprópria for utilizada, as condições ambientais podem não ser satisfeitas durante algumas horas do dia. Caso seja escolhido um tipo errado, corre-se o risco de nunca se conseguir os bons resultados. Isso sem falar no fator economia. Um aparelho inadequado ou com potência imprópria causará um consumo excessivo de energia elétrica”, alerta André Peixoto, Diretor de Produto para a América Latina da Trane, empresa especializada na climatização de ambientes residenciais e corporativos.

Como calcular BTUs por M²

 Antes porém de escolher um modelo, é essencial entender o que significa a sigla em inglês, BTU, ou Unidade Térmica Britânica. E ela que indica o quanto potente é um aparelho de ar-condicionado. Assim, quanto maior o número de BTUs, maior a potência. Mas isso não significa que você deva comprar apenas com base neste índice.

O número de BTUs deve ser escolhido, basicamente, em função do tamanho do ambiente e da incidência de radiação solar sobre ele ao longo do dia. Como regra geral, são necessários entre 600 a 800 BTUs por m². A base de 600 BTUs deve ser adotada quando o ambiente não tiver incidência de sol. Já os 800 BTUs devem ser considerados em locais onde há raios incidindo ao longo de todo dia. Dessa forma, uma sala de 20m², que recebe sol apenas durante a manhã deveria contar com um aparelho de 12 mil BTUs.

Os especialistas alertam, no entanto, que existem outros fatores que devem ser considerados neste dimensionamento e que podem interferir na sensação de calor, tais como a quantidade de aparelhos eletrônicos presentes no ambiente; o número de lâmpadas incandescentes; a existência de janelas sem cortinas e até mesmo o número de pessoas que frequentam o espaço. Nestes casos,  o ideal é acrescentar 600 BTUs, diante da ocorrência de cada fator mencionado.

Ar-condicionado fixo ou portátil?

Uma vez definida a potência necessária, a escolha do modelo mais adequado vai depender, fundamentalmente, das condições gerais do local escolhido para a instalação. Os modelos de  janela são bastante utilizados. Eficientes, eles são fáceis de usar, mas trazem como principais desvantagens o fato de ficarem fixos e a necessidade de contar com um buraco na parede.

Já os de tipo split são mais fáceis de disfarçar e também um dos mais silenciosos, uma vez que o condensador ( a parte mais barulhenta) deve ficar do lado de fora do ambiente. Além disso, sua instalação é mais fácil, porque não há a necessidade de fazer um buraco, apenas um furo para a fixação, que pode existir, por exemplo, entre a sala e a varanda.

Se a intenção, porém, for combater o calor em mais de um ambiente, os portáteis são os mais indicados. Leves e compactos, eles vêm com rodinhas para facilitar o deslocamento e, o que é melhor, dispensam qualquer tipo de obra. Como inconveniente, porém, como têm, no máximo, 12000 BTUs de potência, eles não são indicados para climatizar ambientes muito grandes.

Qual o consumo de energia do ar-condicionado?

 O primeiro passo para economizar é sempre comprar equipamentos que possuam o Selo Procel de Economia de Energia com classificação A ou B. Só isso já pode representar uma considerável diferença no consumo de energia.  

Depois, considere que, como na maioria dos aparelhos de ar-condicionado o funcionamento cessa após certo tempo e religa de novo, o esforço em ligar e religar aumenta o consumo de energia e, sendo assim, o ideal é optar por modelos equipados com o dispositivo de  "inverter" que, apesar de mais caros, eliminam o liga-desliga. Da mesma forma, se você trabalha com uma voltagem de 127V, saiba que para instalar o ar-condicionado, você vai precisar de fios mais resistentes e grossos. Já se for 220V, eles podem ser mais finos, o que pode representar menos gastos com instalação. 

Uma vez porém que seu aparelho esteja instalado, pequenos cuidados podem fazer diferença na conta no final do mês. Para começar, fique atento, por exemplo à temperatura do termostato, evitando o frio excessivo. Lembre-se de que uma temperatura de 23 graus costuma ser mais do que suficiente para nos sentirmos livres da sensação de calor excessivo. 

Quando o aparelho estiver acionado, procure manter portas e janelas bem fechadas, para evitar a entrada de ar e evite também que o calor penetre no ambiente, fechando cortinas e persianas. Quanto ao acionamento, desligue o equipamento sempre que você se ausentar do ambiente por muito tempo. Mas não desligue-o se a ausência for rápida, pois isso pode acabar aumentando o consumo de energia.

Evite também deixar aparelhos eletrônicos ligados desnecessariamente no ambiente em que o condicionador de ar está, pois eles podem exigir que o coondicionador trabalhe ainda mais para resfriar o cômodo. Por fim, providencie manutenções periódicas. Filtros sujos forçam o aparelho a realizar um esforço ainda maior para funcionar e, consequentemente, a gastar mais energia.