Dupla infalível

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Aprenda como combinar sofá e almofadas na hora de decorar

Contraste de cores no sofá decorado por Chicô Gouvêa

Contraste de cores no sofá decorado por Chicô Gouvêa Foto: André Nazareth

Sofás e almofadas: poucas parcerias parecem mais bem-sucedidas. Afinal, por razões que vão do conforto mais imediato ao estilo da própria sala, fica difícil imaginar um sem o outro, mesmo nas propostas mais despojadas. Sobretudo as almofadas, quase nunca vistas soltas, dispersas pelos ambientes. Claro que, ao decorar, tudo é sempre possível. Mas, no caso, é a união que faz a força.

Para promover mudanças rápidas na decoração, investir na dobradinha pode gerar resultados imediatos, além de uma boa economia. Desde que bem escolhida e posicionada, uma simples almofada – ou um conjunto delas – pode fazer mais pelo visual de um sofá do que sua própria troca ou de todo o seu revestimento. Mas, para conseguir os melhores resultados, antes de mais nada, é essencial observar a decoração da sala como um todo.

Para começar, esqueça por um momento seu sofá e olhe ao redor. Uma parede de destaque em função de sua cor pode servir de inspiração para compor todas as suas almofadas. “Outra possibilidade é definir a tonalidade das peças com base nas cores predominantes nas poltronas, cadeiras ou até quadros presentes no ambiente”, lembra o arquiteto Chico Gouvêa (chicogouvea.com.br).

Só depois procure atentar para as características de cor e de textura próprias do móvel. Se seu sofá for revestido com uma cor neutra – como preto, bege, marrom ou cinza –, você poderá utilizar qualquer tom ou estampa para compor as almofadas. Apenas dê preferência a tons mais vibrantes, para garantir maior contraste, incluindo combinações de impacto, como o preto e branco.

Mas, em qualquer situação, procure criar um vínculo entre as almofadas e seu sofá. Caso o móvel possua uma cor única, para um resultado harmônico, a famosa técnica do tom sobre tom é a mais indicada na hora de definir a paleta de cores das almofadas. Basta, para tanto, alternar tonalidades mais claras ou mais escuras. Agora, se o sofá for estampado, as almofadas mais adequadas são, sem dúvida, as lisas, sem nenhuma estampa, para não brigar com a padronagem de base.

Desenhos abstratos, composições geométricas, grafismos, fotografias, frases: todas as estampas são válidas para decorar almofadas. Outra vantagem é que toda essa variedade abre ainda mais possibilidades – você pode, por exemplo, compor um conjunto de almofadas com estampas iguais e cores diferentes; com estampas diferentes aplicadas em tons similares; ou ainda contrapor peças estampadas a outras lisas. Desde, claro, que tudo fique equilibrado.

Almofadas com estampas diferentes, em um mesmo sofá, devem possuir ao menos algum elemento em comum, seja a cor de fundo ou o tipo de detalhes. “Respeitar a regra é importante, mas ousar um pouco, adicionando um elemento dissonante, seja uma cor ou uma estampa, pode ajudar a personalizar o ambiente”, sugere a arquiteta Fernanda Morais, da Très Arquitetura (tresarq.com.br).

Na dúvida, o melhor a fazer é alternar peças estampadas e lisas e nunca descuidar da distribuição das almofadas sobre o sofá, que deve sempre ser feita do centro para os cantos. Nesse sentido, para atingir uma composição ainda mais equilibrada, e evitar que um dos lados do móvel pareça mais “pesado” do que o outro, procure posicionar as maiores e mais escuras no fundo e, depois, vá sobrepondo as demais, em ordem decrescente de tamanho.

Suaviadade na composição de almofadas da Tres Arquitetura, a partir de tons sobre tons

Suaviadade na composição de almofadas da Tres Arquitetura, a partir de tons sobre tons Foto: Evelyn Muller

Lisas, estampadas ou uma mistura das duas? Quais tipos escolher? Você pode optar apenas por variar tons dentro de uma mesma cor, trabalhar só com peças estampadas ou ainda realizar um mix das duas variedades. São incontáveis as possibilidades de combinação para quem pretende “decorar” seu sofá com uma ou mais almofadas. Mas, ainda assim, alguns cuidados são essenciais para não sobrecarregar a decoração. Acompanhe nossas dicas:

Quantidade. Idealmente, o número de almofadas deve ocupar mais da metade do sofá, mas tudo vai depender do clima que você deseja criar. Se a proposta for mais minimalista, uma ou duas almofadas resolvem. Já se seu objetivo for criar uma atmosfera mais informal e acolhedora, permita-se utilizar um número maior. De qualquer forma, não exagere na dose. Se o seu sofá tiver apenas dois lugares, por exemplo, duas grandes e duas pequenas, uma dupla em cada ponta, já são suficientes. Lembre-se de que não é nada confortável sentar em um sofá e ter de tirar todas as almofadas para abrir espaço.

 

Formatos. Suas almofadas não precisam ser todas quadradas. Além delas, investir em formatos retangulares e redondos pode imprimir movimento à decoração. Apenas fique atento na hora de dispor o conjunto sobre o sofá: deixe sempre as maiores por trás, sobreponha as menores ou retangulares e, por fim, posicione as redondas mais à frente.

 

Tamanho. O tamanho das almofadas deve estar em harmonia com o tamanho do encosto de seu sofá. Desde que não ultrapasse esse limite, você pode organizar as almofadas em tamanhos variados, sempre da maior para a menor.

 

Texturas. Misturar acabamentos e tecidos podem ajudar a enriquecer sua composição. Como principal indicação, é fundamental que a textura das almofadas seja diferente da do sofá. No mais, ouse misturar. Pense em peças bordadas, de tricô ou crochê, em tecidos opacos e também em outros mais brilhantes ou até peles (falsas, por favor).

 

Personalização. Almofadas com estampas e formatos inusitados, aqui e ali, são uma outra possibilidade para dar um toque de humor e personalidade a seu sofá. Considere suas músicas, bandas e filmes preferidos, referências literárias. Tudo pode servir de inspiração para um nova almofada – e deixar o sofá com a sua cara.