Dicas para colocar mais cor no jardim

Marcelo Lima - Especial para o Estadão

Folhagem em cores variadas quebra a monotonia do verde do jardim

Existe uma infinidade de plantas com folhas que variam do roxo intenso ao vermelho brilhante, passando por todos os tons de rosa

Existe uma infinidade de plantas com folhas que variam do roxo intenso ao vermelho brilhante, passando por todos os tons de rosa Foto: Brendo dos Reis

Com suas nervuras rosadas, levemente avermelhadas, a Aglaonema Pink Legacy é uma das mais raras e estilosas plantas de sua família. Originária da Tailândia e tropical por natureza, ela costuma fincar suas raízes em solos úmidos e viver sob luz indireta e brilhante. Nos últimos tempos, porém, ela tem sido vista, e cada vez com maior frequência, em ambientes que pouco, ou quase nada, guardam em comum com seu hábitat. Tais como salas de estar, quartos, e até escritórios. 

“Olha só como ela se saiu bem nas fotos”, derrete-se o botânico mineiro Samuel Gonçalves (@umbotaniconoapartamento), que, além de um vaso nos tons de suas folhas, reservou para a sua Aglaonema uma posição de destaque em meio às centenas de espécies que ele cultiva em seu apartamento, em Belo Horizonte. “Plantas como ela, com folhas rosa ou com nuances da cor, são muito atraentes. Não me surpreende que elas estejam tão em alta em todo o mundo”, afirma.

CULTIVO. De acordo com o botânico, nada impede que espécies de folhas não verdes, como ela, possam se desenvolver bem no meio urbano. Mas desde que submetidas a condições adequadas de cultivo. “A cor de uma planta é ditada pelos diferentes pigmentos em suas células. Folhas com colorido que varia do rosa ao roxo são ricas em um pigmento chamado antocianina, que absorve a luz verde e amarela, fazendo com que elas pareçam avermelhadas aos nossos olhos.”

Aglaonema Pink Legacy, de folhas não verdes, pode se desenvolver bem no meio urbano, mas sob condições adequadas

Aglaonema Pink Legacy, de folhas não verdes, pode se desenvolver bem no meio urbano, mas sob condições adequadas Foto: Brendo dos Reis

Justamente por isso, para parecerem ainda mais bonitas e vistosas, segundo Gonçalves, é essencial que essas espécies recebam mais luz indireta do que aquelas com folhas de cor predominantemente verdes. “Isso acelera a produção das antocianinas, responsáveis por conferir essas tonalidades diferenciadas às folhas. No caso, é necessário propiciar muita claridade para essas plantas, mas de preferência sem incidência direta”, explica.

Mas, segundo ele, além da exposição à luz, alguns outros fatores, como a exposição ao frio intenso e o estresse hídrico, podem interferir negativamente no desenvolvimento dessas plantas e, por isso, devem ser evitados. “No mais, desde que bem iluminadas, elas exigem pouca manutenção e diria que são até bem resistentes. Mas é importante não descuidar das regas. O substrato deve estar permanentemente úmido, mas não encharcado”, recomenda ele.

É essencial que essas espécies recebam mais luz indireta do que aquelas com folhas de cor predominantemente verdes

É essencial que essas espécies recebam mais luz indireta do que aquelas com folhas de cor predominantemente verdes Foto: Brendo dos Reis

ANTIMONOTONIA. “Ultimamente, tenho usado mais nos meus projetos, sim. Existe mesmo um desejo de resgatar plantas com folhagens coloridas, que já fizeram tanto sucesso no passado”, conta a paisagista carioca Anna Luiza Rothier (@annaluizarothier), que tem especificado o uso delas tanto na montagem de vasos quanto na implantação de canteiros. “Elas ajudam a quebrar a monotonia da cor verde, deixando os jardins ainda mais vibrantes”, comenta ela.

Segundo a paisagista, existe uma infinidade de plantas com folhas que variam do roxo intenso ao vermelho brilhante, passando por todos os tons de rosa (herbáceas, árvores e arbustos), que podem ser empregados com sucesso como alternativa ao tradicional verde em jardins, varandas ou mesmo na decoração de interiores. Mas desde que a céu aberto ou próximo às janelas. “Sem o sol, elas tendem a escurecer, assumindo tonalidades entre o verde e o marrom”, diz.

Além disso, os profissionais destacam que, enquanto na maioria dos jardins a predominância do verde só é quebrada em determinados meses, durante as épocas de floração, quem opta por cultivar espécies de cores diversificadas pode desfrutar de um visual mais colorido o ano todo. Para conseguir bons resultados, no entanto, é fundamental escolher as variedades mais indicadas para cada situação e caprichar na produção de vasos e canteiros.

Dicas

Ideal escolher a melhor variedade para cada situação pretendida

Ideal escolher a melhor variedade para cada situação pretendida Foto: Brendo dos Reis

  • A primeira regra para quem quer plantas com folhas avermelhadas na montagem de um vaso ou de um canteiro é usá-las com moderação. Opte no máximo por uma ou duas delas e, para equilibrar, complete com espécies verdes.
  • Algumas com folhas não verdes, sobretudo as mais escuras, podem parecer opacas. Mas, se plantadas para que o sol as ilumine de lado, ou por trás, suas cores e texturas ficarão mais vibrantes e nítidas. 
  • As cores de algumas plantas com pigmentação mais rosada podem variar bastante. Muitas vezes, dois ou mais tons podem estar presentes. Para não sobrecarregar o visual de seu jardim, escolha uma delas como base.
  • Além de compor vasos, determinadas plantas com folhas de colorido alternativo funcionam bem como forração de pisos e para limitar áreas. Além de realçar o jardim, também produzem efeito em jardins verticais.
  • Caso opte por dispor uma única espécie, considere também a cor e o material do recipiente que usar. Ele pode ser usado para realçar ainda mais a beleza da sua planta.