Decoração:especialistas ensinam como atualizar o visual para 2021

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Arquitetos, decoradores, designers e consultores de estilo, convidados pelo Estadão, antecipam as principais mudanças em curso e explicam como repaginar a casa para o novo ano

Maior transparência: em sala decorada por Chicô Gouvêa, parede é removida e, em seu lugar, é instalada uma janela

Maior transparência: em sala decorada por Chicô Gouvêa, parede é removida e, em seu lugar, é instalada uma janela Foto: Chicô Gouvêa

Mais aberta para o ambiente externo, com colorido acentuado e objetos mais significativos. É, esse, em linhas gerais, o desenho da casa que emerge das considerações de dez especialistas – entre arquitetos, decoradores, designers e consultores de estilo –, convidados pelo Estadão para antecipar as principais mudanças em curso no setor do morar para o ano que se inicia. E, assim, inspirar o leitor a repaginar sua casa para essa nova fase.

Claro que o período de quarentena foi determinante para acelerar muitas das transformações, como no caso da maior atenção dedicada hoje ao home office, ou o interesse pelo cultivo de plantas em interiores. Mas, segundo os profissionais, 2021 trará consigo um olhar particular para as coisas do lar, mesmo para aquelas não exatamente novas.

Simples atitudes como montar um canto para o café na sala, ou reformar um móvel de segunda mão serão vistas sob uma perspectiva mais afinada com nossas necessidades e valores atuais. Como entreter a família em casa em dias de isolamento ou realizar um consumo mais consciente. Nesse sentido, o ano promete. 

Fernanda Marques. Após muitas casas construídas na cidade, praia e campo, a arquiteta não pensa duas vezes para apontar a grande onda do segmento em 2021: transparência. “Estaremos interessados em abolir fronteiras entre dentro e fora, em abrir nossas casas para o ambiente externo, ampliando a circulação do ar e a iluminação natural.” E como fazemos isso? “Para quem vai construir, vale ampliar as aberturas e as superfícies envidraçadas nos projetos. Já para quem está com a casa pronta, abolir cortinas e aplicar películas reflexivas nos vidros para controlar a entrada de luz solar pode ser uma alternativa”, pontua ela.

Gabriela Nora. Apaixonada por botânica e com um gosto, que vem da infância, pela criação de arranjos florais, a proprietária da Galeria Botânica, em Pinheiros, assistiu, no ano passado, a um aumento substancial de seus pedidos. “Conviver com seres vivos, como animais, mas também com plantas e flores, de repente se tornou uma prioridade nos dias de isolamento”, comenta ela, para quem, ao que tudo indica, em 2021, a tendência deve se manter. “O importante é cuidar, se relacionar com as plantas. Eu optaria por cultivar espécies pendentes. São de fácil cultivo e ficam superbem em uma composição com diversos vasos.”

Chicô Gouvêa. Os dias de isolamento, diferentemente do que possa parecer à primeira vista, foram de intensa atividade para o arquiteto carioca, conhecido por sua habilidade de lidar com as cores. “Senti uma enorme necessidade de mudar tudo o que fosse possível. De mudanças pontuais até algumas mais radicais, como abrir uma janela onde antes havia uma parede na sala”, conta ele, que, ao que tudo indica, não pretende parar por aí. “Este ano precisamos de mais alegria e energia. Pintar ao menos uma das paredes do quarto com amarelo-gema pode ser uma boa ideia. E eu já estou me preparando para isso”, adianta Gouvêa.

Cris Bertolucci. Para a designer de iluminação, eficiência é apenas um dos aspectos que devem ser considerados na hora de escolher uma luminária em 2021. Leveza, delicadeza e, mais do que nunca, versatilidade, são atributos que também vão contar pontos. “Hoje, como tudo muda muito rápido, o artefato luminoso deve se ajustar à dinâmica da casa”, considera ela, que recomenda a aquisição de peças mais versáteis, capazes de circular com desenvoltura pelos mais diversos cantos da casa. “Uma luminária que possa ser colocada em qualquer ambiente: no aparador, no home office e até na cabeceira da cama.

Guto Requena. A questão do afeto sempre foi primordial no trabalho do arquiteto e designer. E isso mesmo em obras nas quais as tecnologias se fazem fortemente presentes. “Acredito que, neste ano, as pessoas vão se voltar para objetos que, para além da funcionalidade, sejam capazes de emocionar”. Para Requena, estamos prestes a vivenciar uma nova era. Uma era na qual, tanto quanto pela sua performance, os produtos vão ser valorizados também por veicularem memórias afetivas. “Por que não imaginar, por exemplo, peças que nos façam lembrar daqueles que amamos?”, sugere ele.

Cris Rosenbaum. Curadora, há quase uma década, da Feira Na Rosenbaum – evento definido por ela como um encontro que reúne artistas e designers independentes para levar ao público criações autorais e com identidade brasileira –, a empresária, que cursou direito e passou pela moda, aconselha que 2021 comece com um objeto novo. “Pode ser uma pedra, uma peça de madeira, uma vela. Mas que seja algo que, fundamentalmente, faça você se sentir bem”, afirma. Para ela, mais do que trocar o sofá da sala, uma simples peça, desde que escolhida com carinho, pode fazer toda a diferença. “Tornando especial o ano que se inicia.”

Guta Louro. Para a arquiteta Guta Louro, os interiores este ano devem se encher de cor. “Em 2020, aprendemos a importância do nosso lar. Agora, é a hora de implementar as mudanças necessárias. Concordemos, 2021 precisa de novos ares, energia leve e cores alegres”, acredita ela, que recomenda atenção especial aos tecidos de revestimento de sofás e poltronas. “São itens muito marcantes, capazes de renovar a energia de qualquer ambiente. Para revesti-los, aposte em tons quentes e alegres. E, para completar, invista também em novas almofadas. Elas são ótimas aliadas para equilibrar qualquer composição.”

Mauricio Arruda. Após decorar dezenas de ambientes para seus clientes – e também para os participantes do programa Decora, da GNT, comandado por ele até o ano passado – , o arquiteto não tem dúvidas: em 2021, vamos priorizar o conforto e, em qualquer ambiente, ele está diretamente relacionado às texturas dos diversos materiais. “Quanto mais agradáveis ao toque, melhor”, afirma. E isso, segundo ele, para todos os itens da decoração: da cortina ao tapete, passando pelas almofadas. “Investiria, sobretudo, nas fibras sintéticas. “Elas são menos alérgicas, mais baratas e mais resistentes.”

Paulo Lara. Mestre na arte de bem receber, em especial à mesa, a dica do consultor de estilo para 2021 é criar um canto de relaxamento em casa para reunir a família e os amigos. “Pode ser na varanda, logo abaixo de uma janela ou mesmo em torno de uma poltrona confortável na sala. Para tanto, ele aconselha adotar uma pequena mesa como suporte. Depois, dentro de seu gosto pessoal, posicione sobre ela uma bandeja com xícaras, copos, uma linda garrafa com água fresca e a ainda, próximo a ela, uma máquina de café ou garrafa térmica”, sugere. Para finalizar, uma recomendação especial para tempos de pandemia. “Cada um com sua própria caneca, xícara ou copo, claro.”

Paulo Biacchi. Com dois filhos pequenos e uma montanha de brinquedos para guardar, o designer e sua mulher Carolina Armellini – sócios no duo Fetiche Design – sonham em dispor de mais espaço de armazenagem em casa em 2021. “Minha ideia é garimpar um móvel antigo e restaurar”, antecipa ele, um adepto incondicional do “faça você mesmo”. Biacchi pretende visitar lojas de segunda mão para encontrar uma peça de madeira maciça, ou revestida com lâmina de madeira em bom estado. “Eu usaria um removedor de verniz para tirar as camadas antigas e aplicaria um novo. Outra possibilidade é aplicar uma tinta esmalte na cor desejada”, descreve ele. Pensando em outros casais que, como eles, pretendem colocar a mão na massa em 2021, o designer sugere que, caso a pintura seja a opção, o ideal é escolher sempre acabamentos foscos ou acetinados. “Se quiser uma pegada mais vintage, compre uma tinta à base de giz. Ela pode ser desgastada depois de seca, conferindo uma cara de móvel usado, bem legal.”