Corpos em evidência

- O Estado de S.Paulo

O italiano Fabio Novembre, herdeiro da geração de Gaetano Pesce, faz da figura humana protagonista de suas histórias no design

Para quem deseja bons sonhos. Da linha Air Lounge System, de 2008, cama para a Meritalia.

 

 

Com 2 metros de altura, contornos generosos e traços bem definidos, a poltrona Nemo era alvo de todas as atenções. Sobretudo em meio à atmosfera contida que caracterizou a produção apresentada na Semana de Design de Milão deste ano. Alto, elegantemente vestido - e quase sempre bem maquiado -, seu criador não despertava menor curiosidade.

 

Também pudera. Último dos herdeiros de uma linhagem artística - da qual Gaetano Pesce segue como principal representante -, ao italiano Fabio Novembre continua a agradar a ideia de contar histórias por meio do design. De tornar a figura humana protagonista de seus trabalhos. De criar personagens. De fazer dele próprio, enfim, mais um deles.

 

Espécie de enfant terrible do design italiano, nos trabalhos de Novembre o figurativismo ganha dimensões inusitadas. O corpo humano, traduzido em móveis, ganha contornos abstratos e universais, além de uma aura de beleza clássica, que remete às esculturas gregas, tais as suas linhas harmônicas e proporções milimetricamente estudadas.

 

Tom épico. "A Nemo esconde e revela. Possui altura para passar a sensação de proteger seu ocupante e, como uma deusa mitológica, tem o poder de transformar qualquer hábitat em uma cena teatral", afirma Novembre, lançando mão do peculiar tom épico com o qual costuma discorrer sobre suas criações.

 

Um sentido de dramaticidade que encontra suas raízes na própria origem do designer. Nascido em 1966, em Lecce, região da Apúlia, sul da península italiana, quase na ponta da bota, Novembre parece ter sido para sempre afetado pela dualidade que emana das seculares construções barrocas de sua cidade.

 

Sétima arte. Não surpreende, portanto, seu genuíno interesse em também explorar os recursos de seu tempo, manifesto na firme decisão de cursar Arquitetura no Politécnico de Milão e, após concluir seus estudos, se transferir para Nova York para estudar Cinema. Nesse período ele projetou uma série de lojas para a grife de moda italiana Blumarine.

 

Esse foi um marco definitivo na sua carreira, que motivou a instalação de seu escritório em Milão, onde, desde 1994, atua como arquiteto e designer, assinando projetos de clubes, lojas e hotéis, além de móveis para as principais marcas locais. Entre elas, além da Driade, a Meritalia e a Casamania.

 

Momento para relaxar. O divã Divina, de espuma de poliuretano, foi criado para a Driade.

 

Foi para esta última, inclusive, que Novembre realizou sua primeira investigação, em escala industrial, sobre as potencialidades do corpo humano aplicadas ao mobiliário. Partindo de uma réplica em três dimensões de uma escultura de gesso, ele concebeu Her, poltrona criada por meio do sistema da técnica de rotomoldagem, com policarbonato ou polietileno.

 

E foi simplesmente ao livro do Gênesis que Novembre recorreu para justificar a criação de uma versão masculina para o móvel. "E Deus disse: Não é bom para o homem ficar sozinho. Vou fazer uma companheira que lhe corresponda." Um argumento consistente, sem dúvida, mas nem por isso capaz de impedir possíveis comparações da poltrona com a clássica Panton, do dinamarquês Verner Panton.

 

"Her e Him nascem das ideias por trás da cadeira Panton. Representam a evolução do desenho original, hermafrodita, para uma versão nos dois sexos", rebate ele, que, desde 1992, diz responder a quem, além de Fabio, o chama de arquiteto. "Afora isso, me deixo ir com o vento, convencido de que sou capaz de seduzir tudo o que me rodeia", afirma o designer. Com a modéstia, claro, que lhe é bem peculiar.