Conheça esse projeto em Pinheiros que é sinônimo de conforto

Ana Lourenço - O Estado de S. Paulo

Com 85 m², projeto investe em integração, cores e muita textura para satisfazer casal de advogados

Integração total dos ambientes garantiu sensação de unidade no apartamento

Integração total dos ambientes garantiu sensação de unidade no apartamento Foto: Manu Oristanio

Conforto, charme e frescor. Eis os componentes básicos para ter uma casa perfeita, especialmente durante a quarentena. “O projeto priorizou totalmente o aconchego para os moradores”, conta a arquiteta Alana Furumoto da Urbhá Arquitetura, que ao lado de Mariana Fajnzylber criaram esse apartamento de  85m² em Pinheiros

“Os ambientes integrados, o sofá como elemento central e o cantinho zen da varanda pequena, chamam para vivenciar o conforto e o bem estar dentro de casa”, opina Mariana. 

Vivemos um tempo de confinamento, fazendo com que nossa casa seja nosso mundo. Claro que isso faz com que queiramos transformar os ambientes e dar toques de design para alguns objetos. Porém, mesmo sem pensar nisso - afinal o apartamento foi finalizado por elas em agosto de 2018 - o apartamento é perfeito para passar o período de isolamento social. 

Em primeiro lugar está a integração dos ambientes, ponto fundamental para dar uma sensação de unidade no apartamento. O sofá central, estrela do projeto, representa muito bem essa integração. “Com certeza ele é o maior destaque do projeto”, diz Alana. Para que ele atendesse todas as demandas de cada ambiente, o mobiliário foi desenhado pelas próprias arquitetas. Criando, assim, um lado virado para a TV, que possui uma profundidade de assento e a chaise para maior conforto; um outro virado para a cozinha, que possui assento mais raso para que a pessoa se sentasse de forma mais ereta; e um último virado para a varanda, que sem um encosto definido dá a ideia de ser um grande pufe que complementa o espaço da sala de jantar.

Assim como o sofá, o rack, os armários da cozinha e da varanda também foram desenhados pelas profissionais. “Um dos maiores desafio foi conseguir abrigar todos os livros e sapatos que o casal de advogados possuía”, pontua Mariana. Para solucionar, uma estante diferente foi criada no home office, onde a parte aberta serviria para os livros e as fechadas, para os sapatos.

De acordo com elas essa criatividade e entendimento de desejo dos clientes foi que as fizeram ser escolhidas. “O casal já morava junto antes em outro apartamento e sentiam falta de um melhor aproveitamento do espaço e de terem uma estética com a cara deles”, diz Alana. 

Toda a produção e decoração de pequenos objetos foi feito pelo escritório. E são esses detalhes que fazem toda a diferença. Seja a presença das plantas em diversos ambientes da casa, a vivacidade das almofadas ou a delicadeza dos objetos de decoração. Além, claro, das texturas dos detalhes como a palhinha, tijolinhos e o ferro.

Ao mesmo tempo que o living traz uma paleta de cores neutras - cinza, branco e marrom -, as arquitetas fizeram questão de que cada ambiente tivesse sua própria personalidade, sem perder a harmonia. Na cozinha, um azul petróleo, o quarto para home office e a biblioteca ganharam um tom de azul mais claro. Já a suíte teve destaque com a cabeceira verde escuro. “No banheiro, brincamos bastante com as cores. A área do lavabo com pia externa, foi projetado de forma que chamasse atenção, com o vermelho das paredes e o acabamento escama de peixe atrás do espelho retroiluminado”, detalha Mariana.

Confira as fotos dos ambientes:

Manu Oristanio
Ver Galeria 9

9 imagens

Um dos ambientes que ganham destaque quando o assunto é conforto, é o cantinho zen. “Era a antiga varanda do apartamento. Apesar de integrada, ganhou um piso chevron (piso feito com tacos de madeira em formato de zigue-zague) amadeirado para aquecermos o ambiente”, diz Alana. A madeira, matéria-prima presente em todo o projeto aliás, se encontra no piso e nos móveis do cantinho. Ao lado das outras texturas do local - parede de tijolinhos, tapete felpudo e os pufes de crochê - o local é disputa entre os moradores e os pets. “Todo o ambiente foi projetado com cores claras e neutras. A rede foi escolhida com a cor mais marcante para contrastar com o resto do espaço. Já as plantas foram itens obrigatórios para esse cantinho ganhar aconchego e vida”, conta Mariana.

Seguindo o fluxo da rede, o grafite na sala ganha destaque não só visual, mas também luminoso. “Na sala mantivemos a laje de gesso, com trilhos de iluminação gerais e pontos focais para o desenho” diz Alana. Aliás esse é o projeto luminotécnico em todo o living. Mas, o resto da casa ganhou iluminação diversa: fitas de LEDs, plafons e arandelas. 

Plantas para cuidar, uma rede para deitar e um conjunto de ambientes, cheio de harmonia, para chamar de casa. Eis a síntese de um bom lugar para servir de lar em tempos de isolamento social e refúgio para os dias que a correria voltar ao normal.