Conforto máximo: salas e quartos enfatizam relaxamento na Casacor

João Abel* - O Estado de S. Paulo

Seja no design mais bem acabado ou em referências artísticas, profissionais buscaram criar espaços para desconexão da agitada vida urbana

À esquerda, Home Family, do BC Arquitetos, com arte de Patrícia Bigarelli acima da estante de livros, que percorre todo o ambiente

À esquerda, Home Family, do BC Arquitetos, com arte de Patrícia Bigarelli acima da estante de livros, que percorre todo o ambiente Foto: Zeca Wittner/Estadão

Relaxar é a senha para os visitantes que percorrerem a parte inferior das arquibancadas do Jockey Club, onde estão concentradas as salas e quartos da Casacor 2018. Levados até os mínimos detalhes, a leveza e o conforto de cada ambiente saltam aos olhos.

Fugir da vida acelerada da metrópole e se deixar levar pela calma e tranquilidade é a proposta da maioria dos espaços, como a sala de estar Toki (expressão japonesa que significa ‘tempo’), da catarinense Juliana Pippi. “Há uma tendência muito forte do ‘slow design’, isto é, de se trabalhar com produtos feitos de forma mais lenta e manual”, explica. “O efeito é ainda maior quando essa produção surge disposta em meio a objetos produzidos em larga escala. Aí é pura sofisticação”, diz.

Zeca Wittner/Estadão
Ver Galeria 6

6 imagens

De volta à mostra após um hiato de 15 anos, Naomi Abe resolveu remontar às origens da arquitetura modernista brasileira e projetou uma sala de jantar completamente baseada em painéis de cobogós pernambucanos e ladrilhos hidráulicos. “A ideia era ser uma ambiente totalmente vazado, aproveitando a iluminação natural e carregado de referências históricas e artísticas nacionais”, conta Naomi, que foi buscar inspiração para compor a paleta de cores do piso na obra da pintora Tarsila do Amaral.

Do chão ao teto, o uso da madeira foi outro recurso revisitado pelos profissionais para sugerir acolhimento. Tanto em espaços de convivência, como a Home Family, do BC Arquitetos, quanto em outros mais intimistas como a Suíte de Casal, do sergipano Marlon Gama.“É sempre um desafio imaginar o conceito de bem-estar de uma pessoa. Por isso, procuro criar ambientes que possibilitem a livre expressão”, sintetiza o arquiteto.

*Estagiário sob supervisão do editor de suplementos Daniel Fernandes

MAIS CASACOR:

Plantas e árvores invadem os ambientes da Casacor 2018

Casacor: reflexos dos novos tempos

Lofts e estúdios confirmam tendência de plantas menos convencionais

Ambientes integrados são nova fórmula para cozinhas e banheiros

Conheça os jardins da Casacor 2018