Conforto e aconchego: confira o apartamento de avós de primeira viagem

Pedro Marques - Especial para o Estado

Imóvel de 90 m² na Pompeia ganhou espaço único para o lazer, sem abrir mão da intimidade

Marcenaria cria unidade entre os espaços

Marcenaria cria unidade entre os espaços Foto: Evelyn Müller

Empolgados com a chegada do primeiro neto, um casal decidiu aproveitar a nova fase para remodelar o apartamento de 90 m² em que moram, no bairro da Pompeia, em São Paulo. Além de redistribuir os ambientes, com a reforma os novos avós queriam viver em espaços mais atuais, sem abrir mão do conforto.

Para atender a essas expectativas, a arquiteta Ana Cecília Toscano e a designer de interiores Flávia Lauzana, da ACF Arquitetura e Interiores, que assinam o projeto, optaram por soluções pensadas para ampliar a interação entre os moradores. “Integramos a sala, a cozinha e o escritório, formando uma única área social e oferecendo proximidade nos momentos das refeições e lazer, porém preservando os espaços íntimos”, afirma Ana Cecília. 

O resultado é um apartamento radicalmente novo, em que as antigas divisões são meramente reconhecíveis. Logo ao entrar, a área destinada à sala de jantar continua lá, mas agora é decorada com mobiliário brasileiro – cadeiras Geraldo de Barros e Oscar, de Sergio Rodrigues, e mesa Jader Almeida. 

​Veja fotos do apartamento: 

Evelyn Müller
Ver Galeria 8

8 imagens

Além disso, o ambiente foi incorporado à cozinha, que ganhou como divisória apenas um balcão com gavetas na cor terracota. A parede que separava o estar de um dos quartos, que passou a servir de escritório, foi retirada, de modo a integrar os ambientes. 

Alcançar os objetivos do casal demandou um esforço extra. Houve pouca liberdade para reformular a iluminação, por exemplo. “Uma das exigências da cliente era a de não rebaixar o teto com o forro de gesso. Para driblar os poucos pontos de luz, utilizamos um trilho e recursos como arandelas e abajures”, diz Flávia.

A estrutura foi outro desafio. “Todas as paredes tinham vigas”, afirma ela. Isso dificultou a abertura total dos ambientes. Para reforçar a sensação de unidade, a dupla se valeu da madeira freijó, presente em todos os espaços. “É o material predominante”, conta.

Em cada ponto, a madeira foi harmonizada com uma cor diferente. Na cozinha, a combinação é com a terracota; no estar, o contraponto é o azul do sofá. O escritório, por sua vez, traz o contraste do freijó com o cinza. A matéria-prima é aproveitada para além da estética. No banheiro social, por exemplo, que é utilizado também como lavabo, o painel ripado de freijó “esconde” o chuveiro e os itens de higiene pessoal.

Dos quartos originais, apenas dois foram mantidos, com destaque para a suíte do casal, com marcenaria na cor verde-água. O antigo dormitório de empregada, após ter sido devidamente repaginado no novo projeto, foi integrado ao ambiente e transformado em closet.