Cobogó: um clássico brasileiro

Redação - O Estado de S. Paulo

Os famosos elementos vazados, tradicionalmente cimentícios ou cerâmicos, passaram a ganhar leveza e cor com produção em novos materiais

Ambiente com divisória de cobogós Blodec nas opções vazadas e lisas

Ambiente com divisória de cobogós Blodec nas opções vazadas e lisas Foto: Studio R Szpilman

O cobogó é um elemento construtivo vazado, empregado como divisor de ambientes, sejam eles externos ou internos. Seu nome original  vem da junção das sílabas dos sobrenomes dos engenheiros Amadeu Oliveira Coimbra, português, Ernest August Boeckmann, alemão, e Antônio de Góis, brasileiro. Foi o trio quem, em 1929, teve a ideia de patentear o produto e vendê-lo em escala industrial. 

Com sua popularização, o cobogó passou a ser feito também com porcelana, vidro, barro, plástico, madeira e hoje até em resina de poliéster. “A ideia veio justamente porque não existia nada parecido no mercado, devido a grande dificuldade técnica em produzi-los transparentes e com acabamento polido”, explica o designer Rubens Szpilman. “Queria que tivesse vários acessórios que pudessem ser incorporados à estrutura da divisória. Por isso dei o nome de Blodec para diferenciá-lo desde o início”, complementa.

Confira alguns ambientes feitos com o cobogo  Blodec e outros materiais: 

Studio R Szpilman
Ver Galeria 10

10 imagens