Cartas

casae@grupoestado.com.br - O Estado de S.Paulo

Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6º andar. CEP 02598-900, São Paulo, SP

Superfícies estampadas Está na moda estampar várias superfícies, inclusive o laminado plástico. Tenho uma mesa de jantar com tampo desse material e queria saber se é possível estampar ou se preciso trocar a folha. Ronaldo Bezerra, por e-mail R: Quem responde é a decoradora Ivone Dominguez (tel.: 11 9996- 7112): "Tudo vai depender do estado de sua mesa. Mas, com certeza, é mais garantido retirar o laminado plástico para depois fazer outra aplicação com o mesmo material. Você também pode fazer uma textura diferente, como provençal, com outra cor de seu gosto. Muitos marceneiros poderiam dar uma boa lixada na sua mesa e então aplicar o novo revestimento. Para o novo tampo durar mais, sugiro que você faça uma outra aplicação de laminado. Indico o marceneiro Damião (tel.: 11 7246-6445), que faz muito bem esse tipo de serviço". X X X Restauração de peças japonesas Tenho um lustre e um abajur japoneses feitos há muito tempo pelo meu avô. Infelizmente, a cúpula e a alça do abajur estão danificadas. Tenho também um samurai e uma gueixa que estão com os quimonos bem estragados pela ação do tempo. Onde posso encontrar o tipo de papel correto para refazer a cúpula e um bom marceneiro que conserte os bonecos? Procuro ainda uma pessoa que possa restaurar os quimonos. Vanessa Miry Uchiyama Koga, por e-mail R: Célia Oi, assessora de imprensa do Museu de Cultura Japonesa (tel.: 11 3208-17551), responde: "Provavelmente o papel da cúpula do abajur deve ser o washi (comumente chamado de papel japonês), importado do Japão e vendido aqui em São Paulo na World Paper (R. Belmiro Braga, 49, tel.: 11 3815-5622). Sobre a restauração dos bonecos, a professora Katsue Yasuoka, de Suzano (tel.: 11 4746-2650), diz que poderia refazer a vestimenta, mas ela precisa avaliar as peças antes de se comprometer a restaurá-las. Outra alternativa é conversar com Tereza Cristina Toledo de Paula (tel.: 11 2065-8033), chefe de conservação do Museu Paulista e especialista em indústria têxtil. X X X CORREÇÃO Diferentemente do que foi publicado na seção Casa& Design da semana passada, a cadeira atribuída a Marcelo Ligieri (foto acima, à esq.) é, na verdade, o modelo Pimenta, de Sergio Fahrer - reeditada pela Dpot a partir da cadeira originalmente batizada de Blues. A peça criada por Ligieri, chamada Toy, aparece acima, à direita.