Cada dono, uma estante

Marcelo Lima - O Estado de S.Paulo

Quatro arquitetos sugerem composições diferentes para um mesmo móvel, usando livros, vasos, telas e fotos

Longe vai o tempo em que a tarefa de "editar" uma estante - termo utilizado por especialistas para o ato de distribuir objetos entre divisórias e prateleiras - se limitava à facilidade de acesso. Com móveis ecléticos e capazes de concentrar um número cada vez maior de objetos, é preciso ficar atento ao efeito decorativo. No entanto, nem sempre é fácil harmonizar elementos e volumes tão antagônicos quanto os de aparelhos eletrônicos, vasos, livros, quadros - e mesmo flores. Além disso, trata-se de um móvel que não raro ocupa paredes inteiras onde detalhes fazem a diferença.

Casa& convidou quatro arquitetos para editar uma estante de desenho atual, da Ornare (preço sob consulta), que conjuga nichos de diferentes tamanhos, gavetas e espaço para o aparelho de TV. O desafio: repaginar o móvel a partir de uma categoria de objetos dominante - livros, vasos, telas e fotos. Na composição de Carla Dichy, encadernações - sempre associados a estantes - aparecem ao lado de esculturas e gravuras, com resultado atual e dinâmico.

"Mais do que organizar, a estante deve revelar o estilo dos moradores da casa", diz o arquiteto Marcelo Rosset. Para ele, a escolha dos objetos não pode ser gratuita. "É preciso ter uma função, seja estética ou utilitária." Caso, por exemplo, dos vasos que escolheu, que priorizam cores e formatos inusitados.

 

Karina Afonso usou quadros e gravuras com base no preto e no dourado

Para além dos objetos que a compõem, é preciso observar o desenho do móvel. No caso da estante em questão, o preto pode ser ainda mais realçado. "Se a ideia for investir na cor, uma opção é abusar de pitadas de dourado em meio a materiais rústicos e naturais", recomenda Karina Afonso, que deu preferência a telas e quadros.

Se a ideia for neutralizar a cor, o melhor é investir em branco e cinza. "Trata-se de um móvel de destaque. Por isso, preferi suavizar", diz Patricia Martinez. "A desproporção entre as composições ajuda a amenizar as linhas retas. E a foto de Marilyn Monroe é uma imagem tão forte que dispensa outra. Em se tratando de organizar estantes, hoje tudo é possível."