Balada VIP no Campo

- O Estado de S.Paulo

Ana Hickmann só precisa descer a escada para se jogar na pista do night club que tem em sua casa

Cara de balada. A porta de entrada da boate, que tem as paredes revestidas de papel da italiana Romo e poltrona Truffle, da Porro

 

 

Nada como não precisar sair de casa para ir à balada. Mas balada mesmo, com direito a mesa de som, DJ, jogo de luzes, bar e camarotes. A apresentadora Ana Hickmann faz parte desse grupo privilegiado: ela tem um club no subsolo de sua casa de campo, em um condomínio em Itu, com capacidade para 80 pessoas.

 

Baladeira assumida, assim como o marido, que gosta de bancar o DJ, Ana teve a ideia de transformar um espaço meio morto de sua mansão para festejar com os amigos e a família. E chamou os arquitetos Luiz Paulo Andrade e Felipe Scroback, dupla que conhece bem o universo das festas, mas nunca tinha projetado uma boate. "Temos muitos amigos DJs e isso foi importante", diz Andrade. "A Ana queria um lugar para festas. Pensamos que um salão na parte de cima seria muito óbvio. Então ela acabou escolhendo essa área perto da garagem, que já tinha alguma estrutura", completa Scroback.

 

 

Confira outras matérias do Casa:

A megalomania do feio e do belo

Jardim (quase) secreto

 

 

Os dois decidiram trabalhar com variantes do cinza para contrastar com o piso de resina preto, que já existia. Depois de pronta a parte estrutural, forraram as paredes e pilastras com papel de parede fabricado pela italiana Romo e importado pela Cecilia Dale. Em cinza e preto e uma textura aveludada, o papel tem losangos que formam um desenho tridimensional que colabora com a dramaticidade do ambiente.

 

 

Mesa que flutua. Outro grande trunfo de Andrade e Scroback foi a mesa de som, que eles próprios desenharam. De corian cor de laranja, o rack do DJ parece flutuar e causa um efeito visto nas melhores discos quando o jogo de luzes entra em funcionamento.

 

"O diferencial é que ela tem um desnível onde os equipamentos ficam encaixados. São dois CDJs, duas pick ups e um mixer. Além disso, concentramos todos os cabos, que não ficam à vista. Um clube AA, como nos propusemos a fazer, não tem fiação solta para lá e para cá", lembra Andrade.

 

Também de corian laranja são as oito mesinhas que se espalham pelo espaço. Elas foram desenhadas pelos dois arquitetos e hoje fazem parte da linha da Símio Design, que pertence à dupla. Com pés em forma de prisma, têm bandeja acoplada no tampo, o que facilita o trabalho de quem está servindo.

 

Os sofás em curva, de couro preto, que formam os dois camarotes e foram desenhados por Paschoal Ambrósio, têm capitonê no encosto e assento liso. Eles compõem com as duas grandes poltronas Truffle (do designer Jean Marie Massaud para a Porro) em forma de concha que pontuam no espaço. "Essas poltronas, de polipropileno, são como áreas de descanso e propositalmente ficam perto dos toaletes. Quando o pessoal quer parar um pouco de dançar, é só chegar nelas. São superconfortáveis", afirma Andrade.

 

Ao lado do rack do DJ estão o bar e os balcões de apoio, também projetados pela dupla. "Ficou um espaço aconchegante, confortável e sofisticado, bem como a Ana queria", conclui Scroback. "Quisemos fazer um verdadeiro night club. Quem costuma vir aqui pode provar", completa Andrade.

 

 

FORA DA TV

 

ENTREVISTA: Ana Hickmann

 

Ela aproveita os dias de folga para andar descalça, mexer com plantas e dançar

 

 

Alta, magra, loira, olhos azuis; Ana Hickmann é bela. Uma pessoa alegre e que diz gostar de coisas simples, como mexer com plantas, cuidar dos animais e preparar a casa no interior do Estado para receber a família e os amigos.

 

Essa gaúcha de Santa Cruz do Sul, ex-modelo, apresenta desde julho do ano passado o programa de variedades Tudo é Possível, que vai ao ar nas tardes de domingo na TV Record. Ultimamente tem dividido seu tempo entre o apartamento na cidade e a casa em Itu, onde aproveita suas folgas (que são bem poucas). É lá que ela diz encontrar tranquilidade.

 

 

Há quanto tempo você vem para cá? Conheço a região desde 1998, mas só em 2003 comprei o terreno aqui no condomínio. Construímos a casa e nos apaixonamos pelo lugar. Fiz amizade com todos os comerciantes de Itu. Aqui não tenho de me preocupar com maquiagem. Ando descalça, cuido dos meus cachorros e até fiz o projeto de paisagismo da casa. Adoro plantas e gosto de mexer com elas.

 

Por que fazer um night club aqui? Foi um presente para meu marido, o Alexandre, que gosta de ser DJ, além do que adoro música e chamar o pessoal. Esse espaço no subsolo veio a calhar e nele cabem até 80 pessoas, mas normalmente convido grupos de 15 a 20.

 

Quando foi a inauguração? Foi na passagem do ano. Meus amigos da Record que estavam gravando A Fazenda, aqui perto, chegaram às duas da manhã. Mas foi muito legal e ficamos nos divertindo até o amanhecer.

 

E como está seu trabalho? Ótimo. Adoro trabalhar na Record; lá é uma família. Depois de fazer o Hoje em Dia, todas as manhãs, arrisquei um voo solo. Tudo é Possível é um programa que leva alegria, informação e entretenimento de qualidade ao público.