Assumindo escolhas

MARCELO LIMA - O Estado de S.Paulo

Léo Shehtman, que sempre se fez notar pelo uso de brilho e cristal, monta, em seu apartamento de Higienópolis, o cenário de fantasia das mostras de decoração

No mundo da decoração, estilo já foi definido como a capacidade de assumir escolhas. No caso do arquiteto Léo Shehtman, elas sempre foram claras: brilho e muitos cristais. Materiais sintéticos e - por que não? - um quê de fantasia fazem parte de seu elenco de prioridades. Na Casa Cor, seus ambientes podem até causar polêmica, mas nunca passam despercebidos. Síntese de suas opções, o apartamento em que hoje vive, em Higienópolis, concluído após uma reforma que durou quase dois anos, é prova de que os cenários de sonho criados para mostras de decoração não acabam necessariamente ao fim de cada edição. Distribuídos pelos diversos ambientes, um acervo de objetos, revestimentos e acessórios cuidadosamente colecionados pelo arquiteto ganharam vida - e alma - novas.O apartamento aposta na sofisticação. Os tons são neutros; os materiais, nobres. Porém, em justa medida, o arquiteto não abre mão de condições ampliadas de bem-estar, como móveis estilo over size. Sobretudo no living, o centro nervoso da casa, onde o preto dominante é ressaltado pela parede revestida de cristal Ebony Diamond Guardian (a partir de R$ 270 o m² não instalado) e pela iluminação densa e concentrada. Cozinha, área nobreEquipado com home theater, na prática o espaço funciona como um grande lounge, adaptado tanto para festas quanto para encontros informais. Espécie de interface com a sala de jantar, enormes portas basculantes de vidro, reproduzindo em cristais esboços do estilista Giorgio Armani, introduzem quem chega a um dos ambientes favoritos do arquiteto - que cultiva o hábito de reunir família e amigos ao redor da mesa. Não por acaso, portanto, o espaço destinado às refeições recebeu cuidados - e dimensões - redobradas. A começar pela mesa de jantar, que ganhou tampo duplo de cristal, passando pela parede vermelho-sangue (da Suvinil, o galão com 18 l custa cerca de R$ 200) até os talheres gigantes de alumínio (da Arte Própria) e o pendente de cristal, desenho de Léo.Anexa à sala de jantar, a cozinha - com paredes também revestidas de Ebony Diamond - é ambiente que dispensou pintura. "Optei por uma variedade de vidro resistente à abrasão, capaz de ?encarar? o fluxo agitado, mas ainda assim sofisticado desse espaço", diz Shehtman.Em contraponto aos cristais, o revestimento de madeira amêndola, no hall de entrada, rompe com a sensação de continuidade, demarcando a transição entre a área social e os dormitórios. A meio caminho entre o lounge e a sala íntima, uma área de relaxamento conta com sofá e almofadas e tem como pano de fundo a parede de cerâmica metalizada.No quarto com closet reina uma suave composição de fibras naturais. Sobre o criado-mudo, porém, o pendente Light Sock (dos designers Diller, Scofidio e Renfro para a coleção Cristal Palace da Swarovski), apresentado por Shehtman no Loft da Casa Cor em 2007, empresta o brilho necessário às muitas noites de celebração.