Arte para presente

- O Estado de S.Paulo

Designer José Marton aposta em peça que foge do convencional

O Empresário, designer e colecionar de arte José Marton

O Empresário, designer e colecionar de arte José Marton Foto: Zeca Wittner/Estadão

Empresário, cenógrafo, designer, além de insaciável colecionador, José Marton tem arte em todos os setores da vida. Uma vocação que já se prenunciava desde a mais tenra infância, quando ele criava seus próprios brinquedos. “Ao concluir a faculdade de artes plásticas, comecei a desenvolver chassis e telas para outros artistas e dei início à minha coleção”, lembra ele, que conta hoje com mais de 400 obras distribuídas entre sua casa e seu estúdio.

Foi esse convívio precoce com artistas e galeristas que o fez vislumbrar a poesia em ser colecionador e também que arte não precisa ser necessariamente cara. Ou que ao menos não deve ser esse o parâmetro de comparação. “Em se tratando de arte, o investimento vale pelo lado sensível, pelo valor da experiência proporcionada, não pelo valor material”, considera Marton, que diz adorar a ideia de receber como presente a escultura Ovo, da artista plástica Monica Piloni.

“Quem pretende presentear com objetos de arte deve se deixar levar por objetos que proporcionem sensações significativas”, comenta ele, que já foi considerado pelo site ArtInfo um dos 50 mais importantes colecionadores de arte do mundo com menos de 50 anos. “E, depois, claro que vale o investimento. Nada se compara com uma obra assinada em termos de exclusividade. Nenhum outro presente consegue ser tão atemporal e único”, conclui.