Arquiteto transforma sobrado em laboratório aberto à experimentação

Roberta Cardoso - O Estado de S.Paulo

Guilherme Torres transformou construção dos anos 40 em casa com interiores em permanente reelaboração

Arquiteto partiu das cadeiras da mesa de jantar para determinar a cor da parede do living, que ganhou cor viva 

Arquiteto partiu das cadeiras da mesa de jantar para determinar a cor da parede do living, que ganhou cor viva  Foto: Denilson Machado

Os interiores da casa do arquiteto Guilherme Torres vivem em constante transformação. O sobrado de 130 m², localizado no Jardins, pertenceu ao escultor Victor Brecheret, responsável por um dos marcos da cidade de São Paulo, o Monumento às Bandeiras, no Parque Ibirapuera. Data de 2010 a primeira reforma que a construção original dos anos 40 passou para abrigar seu atual morador. “Em termos estruturais, fiz poucas alterações na planta. Vãos, aberturas e revestimentos foram as partes mais alteradas. Também expandi a cozinha e aproveitei para fazer uma banheira no mezanino sobre ela”, explica ele.

Passada a reforma, Torres, ao contrário do que se pode imaginar, afinal, ele é arquiteto e designer, decidiu não levar nada do antigo para o novo lar. “Sempre encarei a minha casa como um laboratório. É o lugar que fico livre para criar e testar de forma descompromissada. Por isso, raramente ela permanece igual por muito tempo. Eu queria sentir o que precisava quando decidi não levar nada da antiga casa”, conta.

VEJA FOTOS DA CASA

Denilson Machado
Ver Galeria 11

11 imagens

Sem fórmulas prontas, mas com criatividade, os interiores foram ganhando cores, móveis e usos. “No living, a mesa foi desenhada por mim, o sofá também era um protótipo que vim a lançar mais tarde. Quando encontrei as cadeiras para a mesa de jantar, achei que deveria pintar a parede num tom semelhante”, diz.

A cozinha, um dos espaços preferidos do morador, foi expandida. “Quando ficou pronta, achei que ela não parecia comigo. Estava neutra demais. Foi na mesma época que conheci um coletivo de artistas e propus que eles fizessem uma intervenção nela”, diz. Assim, o grupo foi responsável por revestir os armários com uma estampa de caveira, símbolo que o arquiteto adora. Já o pé direito duplo foi coberto com uma esquadria de vidro retrátil, determinando um ambiente híbrido, que funciona tanto como cozinha, quanto como jardim de inverno.

No piso superior, a mesma lógica experimental foi aplicada e os espaços foram sendo preenchidos conforme o morador gosta: misturando peças desenvolvidas por Torres, artigos garimpados e algumas preciosidades, como a tela de Pink Wainer, exposta na escadaria. “A escada é original e desde que me deparei com a tela gostei muito. Usei o preto para imprimir uma atmosfera mais dramática. Até hoje não mexi nessa parte da casa”, diverte-se ao falar. 

Nos quartos, tecidos adquiridos ao longo da vida ganharam destaque. Desde a colcha que ficava em sua suíte até as almofadas do quarto de hóspedes, que também serve como sala íntima. “Minha casa é uma aglomeração de coisas que vou comprando sem ter ideia do uso que vão ter”, fala. Por ser uma casa compacta, o espaço foi bem aproveitado. “Quando cobri parte da cozinha, sobrou um mezanino acima dela. Ali fiz uma banheira, meu desejo antigo”, diz. “Mas eu gosto mesmo é de movimento. Quando está tudo pronto, vou lá e mudo tudo.”