A espanhola Patricia Urquiola assume a direção de arte da Cassina italiana

Marcelo Lima - Impresso

Em entrevista exclusiva, designer comenta seus objetivos à frente da marca

A designer Patricia Urquiola em poltrona assinada por Gaetano Pesce para a Cassina 

A designer Patricia Urquiola em poltrona assinada por Gaetano Pesce para a Cassina  Foto: Divulgação

Poucos designers registram em seus currículos parcerias tão memoráveis quanto as da espanhola Patricia Urquiola, natural de Oviedo e hoje radicada em Milão. Destaque em nove entre 10 coleções lançadas a cada ano pelo Salão do Móvel, poucas são as marcas do primeiro time do design que não contam com suas criações em catálogo.

O grupo Poltrona Frau, também detentor das marcas Cassina e Cappellini, era um dos poucos a não registrar uma colaboração mais estreita com a designer. Isso, diga-se, até setembro, quando ela foi oficialmente nomeada diretora de arte da Cassina – empresa fundada pelos irmãos Cesare e Umberto, em 1927. Uma das que, reconhecidamente, ajudaram a lançar as bases do design italiano na década de 50.

“Não vejo ninguém melhor para conciliar identidade e evolução para nossa marca”, declarou, entusiasmado, Dario Rinero, CEO do grupo. Do lado de Patricia, as expectativas não são menores. “Minha intenção é fazer da história da empresa parte de nossas estratégias”, disse ela nesta entrevista exclusiva ao Casa.

O sofá Maralunga, clássico de Vico Magistretti para a Cassina

O sofá Maralunga, clássico de Vico Magistretti para a Cassina Foto: Divulgação

Como recebeu a nomeação?

É uma grande honra e uma grande responsabilidade tomar parte na história da Cassina. Tenho consciência de estar frente a uma dupla tarefa: preservar o patrimônio, mas, ao mesmo tempo, propor novos rumos. E creio que esse objetivo só será alcançado por meio da estreita colaboração de toda a nossa equipe.

Sua trajetória sempre se cruzou, ainda que de modo indireto, com a da marca. Como isso se deu?

Quando me formei em arquitetura pelo Politécnico de Madri, em 1989, meu trabalho de graduação foi acompanhado por Achille Castiglioni. Depois, enquanto atuava como professora assistente de Castiglioni no Instituto Politécnico de Milão, comecei a trabalhar na De Padova. Lá, tive a sorte de colaborar com um de meus mestres, o designer Vico Magistretti, autor de projetos magistrais para a Cassina, como o sofá Maralunga. Mas minha história com a empresa só se estreitou mesmo quando assumi a gerência do escritório de Piero Lissoni, em 1996, e pude acompanhar o desenvolvimento de muitos de seus produtos para a marca.

Quais são seus planos mais imediatos?

Estamos próximos da celebração dos nossos 90 anos. Na feira de Colônia, em janeiro, vamos revelar os primeiros projetos concebidos para a data. Em abril, em Milão, pretendemos lançar coleções tanto no Salão do Móvel quanto em nosso showroom. Também estamos trabalhando em um livro, no qual pretendemos apresentar a nossa visão de futuro.

O sofá Miloe Middle, de Piero Lissoni para a Cassina

O sofá Miloe Middle, de Piero Lissoni para a Cassina Foto: Divulgação