A alma do produto

Marcelo Lima - O Estado de S. Paulo

Em visita ao Brasil, fundadora da marca Paola Lenti discute as razões que determinam o sucesso global de seus produtos

A empresária Paola Lenti, fundadora da grife que leva o seu nome

A empresária Paola Lenti, fundadora da grife que leva o seu nome Foto: Sergio Chimenti

Fundada em 1994, em Milão, a marca Paola Lenti, que leva o nome de sua proprietária, atingiu, em menos de três décadas uma posição de raro protagonismo no cenário global. Um feito, por si só, já digno de nota, principalmente levando-se em conta um mercado tão fechado quanto o italiano, onde não são poucas as empresas que somam quase um século de existência. 

Presentes em mais de 60 países, as criações da grife desembarcaram no Brasil na quinta-feira, 7, tendo como cenário a loja Casual Exteriores, na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, que teve dez de seus espaços redecorados pela própria Paola para a ocasião. 

“As cores formam a base do nosso trabalho. Mas, acredito o sucesso de nossos produtos deve ser creditado também a nossa permanente busca por um equilíbrio entre o artesanal e o tecnológico”, como afirmou nesta entrevista exclusiva ao Casa.

Poltrona com almofadas Orbitry, de corda trançada, um dos projetos de Victor Carrasco

Poltrona com almofadas Orbitry, de corda trançada, um dos projetos de Victor Carrasco Foto: Sergio Chimenti

O que define um produto Paola Lenti?

Eu diria que materiais, técnicas de processamento e cores. Qual deles é predominante? Isso depende do produto. Normalmente, começamos por explorar novas tecnologias. De fato, é muito importante que possamos garantir continuidade, alto desempenho e sustentabilidade. Em seguida, tratamos o material com técnicas manuais e artesanais, o que nos permite transferir uma alma para o produto, em função da paixão e da habilidade manual daqueles que o teceram ou o costuraram. Às vezes, como no caso de um tapete ou de uma cadeira de tecido, a habilidade manual é o quesito predominante. Em outros, a parte tecnológica fica mais evidente. As cores são o último passo. De qualquer forma, podemos dizer que produto Paola Lenti é o resultado de todos esses aspectos.

Mesa Sciara, de Marella Ferrera, com tampo feito de ladrilhos e pedras vulcânicas

Mesa Sciara, de Marella Ferrera, com tampo feito de ladrilhos e pedras vulcânicas Foto: Sergio Chimenti

Apesar de relativamente nova, sua empresa tem uma identidade muito forte e definida. Quando a senhora começou, tinha ideia de que chegaria a esse estágio em tão pouco tempo?

Certamente, não. No entanto, penso que as coisas não acontecem por acaso: compromisso contínuo, conhecer as pessoas certas, aprender com quem sabe mais. Olhar as coisas a partir de pontos de vista incomuns, para depois elaborar o que aprendemos dentro de nossos próprios parâmetros, também pode levar a resultados inesperados, como foi o nosso caso.

Amable, com estrutura de polietileno moldado

Amable, com estrutura de polietileno moldado Foto: Sergio Chimenti

A cor é fator chave para a marca. Ao mesmo tempo, ela depende muito das características de cada superfície. Como vocês lidam com essa questão?

Nossa abordagem ao produto é bastante particular. Na maioria dos casos, partimos do material. Uma vez definido e pronto, em termos de sustentabilidade, resistência e aparência estética, é a vez do designer que projetar o produto que melhor exaltará as características desse material, seja uma corda, uma fita, ou um tecido. Nesse ponto, experimentamos qual é a melhor solução para revestir um produto, com qual tecido e com qual textura. Como eu disse, é apenas no final que aplicamos, de fato, cores. Em nossos lançamentos, sugerimos diversas composições, mas nossa ampla gama de tons, que inclui todos os nossos tecidos e materiais, permite que qualquer pessoa faça suas próprias escolhas.