Inspirado nos lofts de Nova York, apartamento em SP tem ambientes integrados e estruturas aparentes

Marcelo Lima - O Estado de S.Paulo

Cobertura na zona sul da cidade exibe estilo industrial; veja dicas para criar a mesma atmosfera em casa

Dutos para a fiação elétrica ficam expostos e as esquadria de metal foram mantidas sem pintura neste projeto do escritório Drops Arquitetura. O sofá roxo modular é da Flexform; a mesa de centro, da Westwing

Dutos para a fiação elétrica ficam expostos e as esquadria de metal foram mantidas sem pintura neste projeto do escritório Drops Arquitetura. O sofá roxo modular é da Flexform; a mesa de centro, da Westwing Foto: Zeca Wittner/Estadão

Antes de ser apontado, em 2004, como um dos bairros mais elegantes de Nova York, o Meatpacking District não tinha nada de glamouroso. Em 1900, a região era sede de matadouros e instalações de embalagem (daí o nome do bairro, meat, carne, e packing, empacotar). Área industrial – e pouco recomendada – na década de 60, teve o auge de seu declínio nos anos 80, até que no final do século as coisas começaram a mudar de figura. Para melhor, sem dúvida.

Lojas de moda, bares e galerias de arte começaram a pipocar por lá dando cara nova ao bairro. Hoje, duas décadas depois, a região que vai da West 16th Street até Gansevoort Street e do Hudson River até a Hudson Street é uma das mais valorizadas da cidade. Instalações desativadas foram convertidas em descolados lofts, atraindo endinheirados moradores. Além de uma legião de admiradores em todo o mundo. 

“Nossa cliente nos deu uma revista que apresentava imóveis no Meatpacking e foi bem clara: é assim que quero morar”, conta a arquiteta Juliana Moyses, da Drops Arquitetura. “Solteira, ela gosta de cozinhar e receber e sabia bem o que queria: fazia questão de contar com a maior parte dos ambientes integrados, enxergar tudo, de todos os ângulos possíveis”, diz. 

Siga o Casa no Instagram e use a hashtag #casaestadao

“Ao contrário do que normalmente acontece em Nova York, fizemos o caminho inverso. Partimos de um imóvel relativamente novo e retrocedemos ao passado”, explica sua sócia, Mariana Paoli. O escritório aceitou o desafio de invocar neste apartamento duplex, de 325 m², no Itaim, um pouco da atmosfera pós-industrial, rústica e envelhecida dos estrelados lofts do Meatpacking. “Entre projeto e reforma levamos um ano e meio”, afirma. 

Como ponto de partida, todos os ambientes do pavimento térreo foram integrados. Ter a possibilidade de transformar os espaços apenas mudando os móveis de lugar também era importante para a moradora, daí a opção por um grande sofá modular e pela mesa de jantar extensível. O piso superior manteve suas três suítes, porém, ampliadas pelo acréscimo de parte da circulação. Projetadas pelas arquitetas, duas passarelas externas nas laterais dos quartos funcionam como pequenas varandas. Com total aval da proprietária, a laje do pavimento térreo foi mantida aparente, tendo, no entanto, algumas de suas tubulações “escondidas”.

Curta a página do Casa no Facebook

“Não queríamos contar um elemento estranho, que interferisse no desenho nervurado da laje”, diz Mariana. Para tanto, a dupla lançou mão de placas cimentícias, no tom do concreto, para construir caixas para conter dutos de desenho não tão atraente quanto os de elétrica e ar-condicionado. No mais, fiéis à atmosfera industrial da decoração, espalharam eletrocalhas com spots direcionados por todo o teto.

Panos de vidro de correr e grandes janelas garantem ventilação cruzada quando abertos, fazendo com que a proprietária não precise utilizar o ar condicionado na maior parte do tempo. “Acho que hoje ela vive como queria. Os espaços são amplos, bem ventilados e iluminados. E o estilo da decoração, claro, tem tudo a ver com ela. Não é no Meatpacking, mas ela se sente quase lá”, brinca Juliana.

Zeca Wittner/Estadão
Ver Galeria 17

17 imagens

Crie a mesma atmosfera em casa

Móveis e acessórios: lojas de segunda mão podem reservar boas surpresas. Neste projeto, o espelho de um dos banheiros foi arrematado no leilão do antigo hotel Cadoro.

 Pisos: para as áreas sociais, experimente um patchwork com retalhos de madeira. Nas área molhadas, invista em cerâmicas sextavadas. Placas cimentícias e granilite vão bem em ambientes abertos.

 Paredes: f icam bem quando descascadas, revelando o reboco. O mesmo vale para vigas e pilares de concreto. 

 Esquadrias e tubulação: metais aparentes são fundamentais para conferir atmosfera industrial a qualquer ambientação. Deixe expostos dutos elétricos, interruptores e caixas de passagem. Nas esquadrias, dispense a pintura: apenas tome a precaução de envernizar a superfície metálica para bloquear o processo de oxidação.