Síndrome do Coração Partido: mulheres são nove vezes mais propensas a sofrer com doença

Camila Tuchlinski - O Estado de S.Paulo

Estudo americano revela que paixões devastadoras e tragédias podem desencadear a patologia

Síndrome do Coração Partido: mulheres são nove vezes mais propensas a sofrer com doença. 

Síndrome do Coração Partido: mulheres são nove vezes mais propensas a sofrer com doença.  Foto: Pixabay

'Quem me vai curar um coração partido?', já questionava o cantor Alejandro Sanz, no fim dos anos 1990. Embora nossos sentimentos fiquem 'alojados' no nosso cérebro, é o coração que simboliza toda a sorte de emoções boas e ruins.

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade do Arkansas, nos Estados Unidos, apontou que mulheres com menos de 55 anos são nove vezes mais propensas a sofrer com a chamada Síndrome do Coração Partido em relação aos homens dessa idade. Os pequisadores avaliaram um banco de dados de cerca de mil hospitais americanos.

A Síndrome do Coração Partido ou doença de Tokotsobu teria origem em decorrência de fortes emoções, como explica o cardiologista Dante Senra. "A maior incidência são nas mulheres e geralmente no período pós menopausa. Caracteriza-se pelo enfarte do miocárdio com as artérias do coração normais, ou seja, sem obstruções. A única maneira de preveni-la é evitando situações de grande estresse emocional", enfatiza.

Já o cardiologista Diego Garcia ressalta que outras situações podem desencadear o problema: "Nos últimos anos, tem-se admitido que estresses físicos como doenças graves (por exemplo: acidente vascular encefálico e doenças oncológicas avançadas), também podem atuar como desencadeadores da síndrome". Segundo ele, não existe tratamento específico para a doença. "A boa notícia é que, passada a fase aguda, o quadro é 100% reversível e o coração volta ao normal", esclarece.

Estudo americano revela que paixões devastadoras e tragédias podem desencadear a patologia.

Estudo americano revela que paixões devastadoras e tragédias podem desencadear a patologia. Foto: Pixabay

Sinais e sintomas

Os sintomas da Síndrome do Coração Partido são semelhantes ao enfarte agudo do miocárdio, por causa da dor no peito, como se fosse um aperto, e falta de ar. A informação preocupante é que alguns pacientes podem ser assintomáticos ou apresentarem poucos e inespecíficos sintomas.

A única maneira de se prevenir, de acordo com os especialistas, é manter um estilo de vida saudável. Porém, se é uma doença com o fundo emocional, a psicoterapia é imprescindível nesses casos. Ao falar com o psicólogo, muitas situações de ansiedade e estresse podem ser minimizadas. A psiquiatria também pode ajudar, na medida em que consegue recomendar medicações que proporcionam alívio dos sintomas psíquicos.

Dicas de filmes sobre o tema

A indústria cinematográfica, com histórias de paixões devastadoras e dramas profundos, pode nos ajudar a entender um pouco mais sobre a Síndrome do Coração Partido. Nós separamos algumas dicas:

* PS: Eu te amo: Holly Kennedy (Hilary Swank) é completamente apaixonada pelo marido Gerry (Gerard Butler). Mas, a morte inesperada de seu parceiro a deixa sozinha e desamparada. A protagonista passa pelo processo de luto e, com a ajuda das cartas, consegue seguir sua vida. O choque de receber a notícia de que alguém próximo faleceu pode desencadear a síndrome do coração partido ou até mesmo um enfarte ou arritmia, segundo o cardiologista Diego Garcia.

* 500 dias com ela: O filme retrata o envolvimento entre dois colegas de trabalho. Um sonha em encontrar a mulher ideal, a outra afirma não acreditar mais no amor. O médico Diego Garcia enfatiza que términos de relacionamento também podem causar a síndrome. "Aconselhamento profissional pode ajudar a lidar com o problema. Abusar de bebidas alcoólicas, substâncias ou até comer demais para superar a situação pode prejudicar ainda mais a saúde do coração", afirma.

* Preciosa - Uma história de Esperança: Uma jovem de 16 anos é expulsa de sua escola no início da sua segunda gestação. Com uma filha com Síndrome de Down e uma relação conturbada com a mãe, ela é vítima de preconceito, negligência, violência, abusos psicológicos e sexuais. "Situações de risco, como as vividas pela personagem levam a uma alta descarga de adrenalina/noradrenalina para o corpo, o que pode resultar na síndrome também", informa o especialista.

* O Impossível: Baseado em fatos reais, o filme retrata a história de uma família espanhola que passava férias na Tailândia em um resort à beira-mar, até que foram separados devido ao tsunami que devastou o Sudeste Asiático no final de 2004. "O trauma provocado por um acontecimento neste nível de estresse agudo pode funcionar como um fator de risco para a manifestação da Síndrome do Coração Partido", diz o cardiologista Diego Garcia.