O segredo da jabuticaba

Felipe Neves - O Estado de S.Paulo

Casca da fruta contém nutrientes não encontrados na polpa

Grudada no pé onde nasce e dona de uma polpa com sabor único, a jabuticaba é uma charmosa fruta que compõe o paladar do Brasil. Única no país, ela é um verdadeiro ícone da nossa cultura: já foi lembrada por Gilberto Gil, Guimarães Rosa e está eternizada nas histórias do Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato. Só não está mesmo enraizado na nossa cultura um hábito que deveria ser levado mais a sério: o de comer a casca da fruta.

“Culturalmente, a gente sempre acaba jogando a casca fora. Mas nela é que estão muitos dos elementos da jabuticaba que auxiliam na manutenção da saúde”, diz o nutrólogo André Veinert, do Hospital Villa-Lobos em entrevista ao programa Rota Saudável, da Rádio Estadão.

Culturalmente descartada, a casca da jabuticaba é tão nutritiva quanto a própria polpa. Há nela fibras como a peptina, que ajuda no controle do colesterol.

Culturalmente descartada, a casca da jabuticaba é tão nutritiva quanto a própria polpa. Há nela fibras como a peptina, que ajuda no controle do colesterol. Foto: mauroguanandi/ Flickr - Creative Commons

 São vários os nutrientes que podem ser encontrados na casca da fruta.  Fibras como a peptina, por exemplo, ajudam no controle do colesterol, do diabetes e ainda contribuem para prolongar a sensação de saciedade. “Há ainda alguns tipos de antioxidantes, que também estão em outras frutas como o açaí e o morango e são responsáveis por proteger contra doenças cardiovasculares, além de agir como anti-inflamatórios”, diz André.

Na polpa ainda são encontrados elementos como o ferro, o fósforo e a vitamina C, todos nutrientes que ajudam no controle e na prevenção de doenças como a anemia. A saúde dos ossos e o funcionamento do metabolismo também são beneficiados pelo consumo da parte interna da fruta. 

Com baixo valor calórico e em alta durante a primavera e o verão, não há contraindicações: pode-se comer à vontade. De preferência, direto do pé.